Antropometria e aspectos neonatais de recém-nascidos de gestações de 41 a 42 semanas

Letícia de Arruda Camargo, Caroline Rosa Pellicciari, Joe Luiz Vieira Garcia Novo, Neil Ferreira Novo

Resumo


Introdução: considera-se que a duração de uma gravidez seja ao redor de 280 dias (40 semanas) contados a partir do primeiro dia da última menstruação. Objetivo: comparar as gestações de 41 a 42 semanas com as gestações de 37-40 semanas em uma maternidade de atenção secundária, em relação aos aspectos neonatais e dados antropométricos dos recém-nascidos. Metodologia: foram analisadas 137 puérperas e seus recém-nascidos, obtendo-se uma amostra de 37 para as gestações de 41-42 semanas e 100 para as gestações de 37-40 semanas. As variáveis dependentes dos recém-nascidos foram os valores antropométricos, os resultados neonatais foram os índices de Apgar (1º e 5º minutos) e de Capurro, e suas complicações. Resultados: observou-se que para o sexo feminino, a comparação entre os dois grupos, as variáveis antropométricas, índices de Apgar e de Capurro não obtiveram significância. Para o sexo masculino houve significância somente para o parâmetro Capurro (p = 0,0015). Foi significante a presença de sofrimento fetal no grupo de estudo (p = 0,0188). Conclusões: a presença de sofrimento fetal no grupo de estudo foi significante, permitindo concluir-se que deve haver cautela em condutas assistenciais em relação às gestações de 41 a 42 semanas. Além disso, com o aumento da idade gestacional não houve aumento estatisticamente significativo dos parâmetros antropométricos. PIBIC-CNPQ.


Palavras-chave


gravidez prolongada; antropometria; recém-nascido

Texto completo:

PDF

Referências


Galleta MA. Duração da gravidez e evolução cronológica. In: Neme B, editor. Obstetrícia básica. 3ª ed. São Paulo: Sarvier; 2006. p. 63-71.

Cunningham FG, MacDonald PC, Gant NF, Leveno KJ, Gilstrap LC III, Hankins GDV, et al. Williams obstetrícia. 20ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan; 2000. p. 80-104.

Coelho KS, Souza AI, Batista Filho M. Avaliação antropométrica do estado gestacional da gestante: visão retrospectiva e prospectiva. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2002;2:57-61.

Rudge MVC. Avaliação do peso dos recém-nascidos: o que é normal ou anormal. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005;27:299-300.

Serruya SJ, Cecatti JG, Lago TG. O Programa de humanização no pré-natal e nascimento do Ministério da Saúde no Brasil: resultados iniciais. Cad Saúde Pública. 2004;20:1281-9.

Roos N, Sahlin L, Ekman-Ordeberg G, Kieller H, Stephansson O. Maternal risks factors for posterior pregnancy and cesarean delivery following labor induction. Acta Obstet Gynaecol. 2010;89:1003-10.

Silva JLP, Cecatti JG, Serruya SJ. A qualidade do pré-natal no Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet 2005;27:103-5.

World Health Organization. Maternal anthropometry for prediction of pregnancy outcomes: memorandum from USAID/WHO/PAHO/Mother Care meeting. Bull World Health Org. 1991;69:523-32.

Falcão MC. Avaliação nutricional do recém-nascido. Pediatria (São Paulo) 2000;22(3):233-9.

Brock RS, Falcão MC. Avaliação nutricional do recém-nascido: limitações dos métodos atuais e novas perspectivas. Rev Paul Pediatr. 2008;26:70-6.

Figueira BBD, Segre CAM. Mid-arm circumference and mid-arm/head circumference ratio in term newborns. São Paulo Med J. 2004;122:53-9.

Capurro H, Konichezky S, Fonseca D, Caldeyro-Barcia R. A simplified method for diagnosis of gestational age in the newborn infant. J Pediatr. 1978;93:120-2.

Battaglia FC, Lubchenko LO. A practical classification of newborn infants by weight and gestational age. J Pediatr 1967;71:159-63.

Apgar V. A proposal for a new method of evaluation of newborn infant. Rev Anesth Analg. 1953;32:260-7.

Zar JH. Bioestatiscal analysis. Englewood Cliffs: Prentice Hall; 1986.

Siegel S, Castelani Jr NJ. Estatística não paramétrica para ciências do comportamento. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2006.

Moraes CL, Reichenhein, ME. Validade do exame clínico do recém-nascido para a estimação da idade gestacional: uma comparação do escore New Ballard com a data da última menstruação e ultra-sonografia. Cad Saúde Pública. 2000;16(1):83-94.

Caughey AB, Bishop JT. Maternal complications of pregnancy increase beyond 40 weeks of gestation in low-risk woman. J Perinatol 2006; 26: 540-5.

Caughey AB, Stotland NE, Washington E, Escobar GJ. Who is at risk prolonged and post-term pregnancy? Am J Obstet Gynecol. 2009;200(6):683.e1-5.

Allen VM, O'Connell CM, Farrell SA, Baskett TF. Economic implications of method of delivery. Am J Obstet Gynecol. 2005;193:192-7.

Marroun H, Zeegers M, Steegers EAP, van der Ende J, Schenk JJ, Hofman A, Jaddoe VWV, Verhulst FC, Tiemeier H. Post-term birth and the risk of behavioural and emotional problems in early childhood. Int J Epidemiol. 2012;41:773-81.

Pereira-da-Silva L, Virella D, Videira-Amaral J, Guerra A. Antropometria no recém-nascido e perspectiva atual. Lisboa: Nestlé Nutrition Portugal; 2007 [acesso em 12 out. 2013]. Disponível em: http://repositorio.chlc.min-saude.pt/handle/10400.17/121

Miranda M, Bernardes OC, Melo TVC, Silva TA, Rinaldi AEM, Crispim CA. Avaliação antropométrica na infância: uma revisão. Braz J Sports Nutr. 2012;1:37-45.

Margotto PR. Curvas de crescimento intra-uterino: estudo de 4413 recém-nascidos únicos de gestações normais. J Pediatr (R. Jan.). 1995;71:11-21.

Carrascosa A, Yeste D, Copil A, Almar J, Salcedo S, Gussinyé M. Patrones antropométricos de los recién nacidos pre término y a término (24-42 semanas de edad gestacional) en el Hospital Materno-Infantil Vall d'Hebron (Barcelona) (1997-2002). An Pediatr. 2004;60:406-16.

Cunha M, Marques A, Carreiro H, Machado MC. Percentis do peso de nascimento para a idade gestacional, numa população de recém-nascidos. Acta Pediatr Port. 2007;38(5):187-93.

Osava RH, et al. Fatores maternos e neonatais asociados ao meconio no líquido amniótico em um centro de parto normal Rev Saúde Pública. 2012;46(6):1023-9.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.