A fisioterapia nas unidades de terapia intensiva neonatal

Francisco Eudison da Silva Maia

Resumo


A intervenção do profissional fisioterapeuta nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) é relativamente recente  e tem se apresentado como uma conduta de singular importância. Conforme a portaria 3.432 do Ministério da Saúde,  as Unidades de Terapia Intensiva, se estendendo às voltadas aos cuidados em neonatos, devem contar com assistência  fisioterapêutica durante um mínimo de 12 horas por dia, por considerar que a atuação deste profissional pode diminuir  as complicações, o período de internação e, consequentemente, os custos hospitalares. A principal função da assistência  do profissional em questão é promover o desenvolvimento neuropsicomotor favorável aos prematuros, prevenir e reduzir  possíveis complicações respiratórias, melhorar a função pulmonar, sempre buscando uma evolução constante do paciente.


Palavras-chave


fisioterapia; unidades de terapia intensiva neonatal; recém-nascido

Texto completo:

PDF

Referências


Selestrin CC, Oliveira AG, Ferreira C, Siqueira AAF, Abreu LC, Murad N. Avaliação dos parâmetros fisiológicos em recém-nascidos pré-termo em ventilação mecânica após procedimentos de fisioterapia neonatal. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2007;17(1):146-55.

Vasconcelos GAR, Almeida RCA, Bezerra AL. Repercussões da fisioterapia na unidade de terapia intensiva neonatal. Fisioter Mov. 2011;24(1):65-73.

Zani AV, Tonete VLP, Parada CGL. Cuidados a recém- nascidos de baixo peso por equipes de saúde da família: revisão integrativa. Rev Enferm UFPE on line. 2014;8(5):1347-56.

Siqueira VSA, Alves VH, Barbosa MTSR, Rodrigues DP, Vieira BDG, Silva LA. Indicadores de qualidade na assistência ventilatória em um hospital universitário: saber fazer na enfermagem. Rev Enferm UFPE on line. 2014;8(4):797-807.

Vieira MEB, Linhares MBM. Desenvolvimento e qualidade de vida em crianças nascidas pré- termo em idades pré-escolar e escolar. J Pediatr. 2011;87(4):281-91.

Sassá AH, Schmidt KT, Teston EF, Marcon SS. A prática alimentar e o crescimento do bebê nascido com muito baixo peso ao longo do primeiro ano de vida – estudo descritivo. Online Braz J Nurs [Internet]. 2010 [acesso em 01 fev. 2015];9(2). Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/j.1676-4285.2010.3074/691

Johnston C, Zanetti NM, Comaru T, Ribeiro SNS, Andrade LB, Santos SLL. I Recomendação Brasileira de fisioterapia respiratória em unidade de terapia intensiva pediátrica e neonatal. Rev Bras Ter Intensiva. 2012;24(2):119-29.

Nicolau CM, Lahóz AL. Fisioterapia respiratória em terapia intensiva pediátrica e neonatal: uma revisão baseada em evidências. Pediatria. 2007;29(3):216-21.

Nicolau CM, Costa APBM, Hazime HO, Krebs VLJ. Desempenho motor em recém-nascidos pré-termo de alto risco. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2011;21(2):327-34.

Moreira EG, Grave MTQ. Avaliação do desenvolvimento motor de crianças prematuras nascidas em uma pequena cidade do vale do rio dos sinos. Rev Destaques Acad. 2014;6(3):64-71.

Brasil. Ministério da Saúde. Atenção à saúde da criança de 0 a 12 anos. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição; 2009. p. 200

anos. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição; 2009. p. 200. 12. Silva COS, Gardenghi G. Análise quantitativa da submissão de projetos de pesquisa científica realizados em Fisioterapia Pediátrica e Neonatal cadastrados no sistema CEP/CONEP de 2002 a 2010. ASSOBRAFIR Ciência. 2012;3(1):33-43.




DOI: https://doi.org/10.5327/Z1984-4840201622134

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.