Melhoria de processos no SUS como proposta de possibilidades mais próximas de mudanças: estudo piloto

Fernando Luiz Affonso Fonseca, José Manoel Amadio Guerrero, Flavio Morgado

Resumo


Dentre as possibilidades de mudanças organizacionais no SUS, conforme o modelo de Galbraith, que contempla a Estratégia (direções do sistema), Estrutura (hierarquia e fluxo decisório), Processos (fluxos de trabalho), Pessoas (competências) e Recompensa (motivação), aquelas referentes aos processos estão, na visão deste artigo, entre as mais próximas de êxito. No caso das Unidades Básicas de Saúde (UBS), que recebem um fluxo muito grande de pessoas, com demanda espontânea e de agendamentos, é importante que se tenha cuidado com a logística do atendimento, evitando-se a presença desnecessária na UBS. As equipes das UBSs de Sorocaba, por meio da Estratégia de Educação Permanente, foram encorajadas a fazer discussões e buscar caminhos para melhorais no atendimento ao cliente. O grande volume de pessoas diariamente nas unidades, visto como um problema que comprometia a qualidade do atendimento, foi o que motivou a análise e melhoria dos processos. Usando-se métodos de modelagem de processos, definição de indicadores e gestão de mudanças, foi possível melhorar dois processos relacionados ao fluxo de pessoas nas UBSs, o de pacientes com vários agendamentos no mesmo mês e o de pacientes que buscam medicamento de uso contínuo.


Palavras-chave


sistema único de saúde; centros de saúde; acesso aos serviços de saúde; administração de serviços de saúde; educação médica continuada

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES nº 116/2014. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Diário Oficial da União, 06 de junho, 2014, Seção 1, p. 17.

Galbraith JR. The evolution of enterprise organization designs. J Org Design. 2012;1(2):1-13.

CONASS Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Gestão administrativa e financeira do SUS. Brasília: CONASS; 2011. p. 21-2. (Coleção “Para Entender a Gestão do SUS" – Volume 8).

CONASS Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Gestão administrativa e financeira do SUS. Brasília: CONASS; 2011. p. 47. (Coleção “Para Entender a Gestão do SUS" – Volume 8).

Bross JC. Gestão do espaço físico para saúde. In: Zucch P, Ferraz MB, organizadores. Guia de economia e gestão em saúde. São Paulo: Manole; 2009.

Carvalho MTG. Nova gestão pública e reformas da saúde: o profissionalismo numa encruzilhada. Lisboa: Edições Sílabo; 2009. p. 296.

Cunha AIG, Morgado F. Melhorias na qualidade da assistência à saúde por meio da gestão por processos: o caso das intervenções coronárias com implante de stents In: Cunha AIG, Santos JFV, Balbieris VC, Silva EV. A enfermagem na cardiologia invasiva. São Paulo: Atheneu; 2007. p. 203-21.

Kotter JP. Liderando mudanças. São Paulo: Elsevier; 2013.

Vecina Neto G, Castellanos PI. Assistência ambulatorial. In: Vecina Neto G, Malik AM. Gestão em saúde. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011. p. 210.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.