A compreensão da terapêutica medicamentosa em idosos em uma unidade de saúde da família

Maria Carolina Martinghi Spinola Moretti, Anne Beatriz Ayres Botto Ruy, Izabel Cristina Ribeiro Saccomann

Resumo


Introdução: O regime terapêutico complexo e as alterações do envelhecimento contribuem para dificuldade da compreensão da terapia medicamentosa e adesão ao tratamento.  Objetivo: Avaliar a compreensão da terapia medicamentosa de idosos identificando os fatores limitantes a adesão ao tratamento. Métodos: Estudo descritivo, exploratório, quantitativo, com utilização de um questionário de avaliação da compreensão da terapêutica medicamentosa, Mini Exame do Estado Mental e a Escala de Lawton em pacientes do Programa do Adulto de uma Unidade de Saúde da Família, interior de São Paulo. Os dados foram analisados pelos testes qui-quadrado de Pearson ou exato de Fisher, de Mann-Whitney ou Kruskal-Wallis. Resultados: A amostra constituiu-se por 50 idosos portadores de Diabetes e/ou Hipertensão Arterial com média de idade de 68,8 anos e baixa escolaridade. Apenas 30% sabiam o nome das medicações que fazem uso, 6% compreendiam a letra da receita médica, 24% achavam que não há necessidade de tomar seus medicamentos quando se sentem bem e 20% já abandonou o tratamento alguma vez. Os fatores que influenciaram a compreensão da terapêutica medicamentosa foram estado civil, composição familiar, estado cognitivo, número de comprimidos/dia e o grau de escolaridade. Conclusão: o não entendimento por parte do idoso de sua terapia medicamentosa pode dificultar a adesão ao tratamento, levar a um baixo controle dos sintomas, interferir diretamente em sua saúde e qualidade de vida.

Palavras-chave


prescrições de medicamentos; adesão à medicação; idoso; compreensão; pacientes domiciliares; educação de pacientes como assunto.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Relatório de gestão 2011 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; mar. 2012 [acesso em 01 fev. 2016]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/disseminacao/prestacaodecontas/relatgestao2011.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2010: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011 [acesso em 01 fev. 2016]. Disponível em: http://www.abeso.org.br/uploads/downloads/76/553a24a6b0a01.pdf

Barbosa MT. Os idosos e a complexidade dos regimes terapêuticos. Rev Assoc Med Bras [Internet]. 2009 [acesso em 01 mar. 2015];55(4):364-5. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000400001

Blanski CRK, Lenardt MH. A compreensão da terapêutica medicamentosa pelo idoso. Rev Gaúcha Enferm. 2005;26(2):180-8.

Almeida OP. Mini exame do estado mental e o diagnóstico de demência no Brasil. Arq Neuropsiquiatr. 1998;56(3B):605-12. DOI :http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1998000400014.

Santos RL, Virtuoso Jr JS. Confiabilidade da versão brasileira da escala de atividades instrumentais da vida diária. RBPS. 2008;21:290-6.

Acurcio FA, Silva AL, Ribeiro AQ, Rocha NP, Silveira MR, Klein CH et al. Complexidade do regime terapêutico prescrito para idosos. Rev Assoc Med Bras. 2009;55(4):468-74. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000400025

Marques EIW, Petuco VM, Gonçalves CBC. Motivos da não adesão ao tratamento médico prescrito entre os idosos de uma unidade de saúde da família do município de Passo Fundo. RBCEH. 2010;7(2):267-79. DOI: http://dx.doi.org/10.5335/rbceh.2012.865

Almeida HO, Versiani ER, Dias AR, Novaes MRCG, Trindade EMV. Adesão a tratamentos entre idosos. Com Ciênc Saúde [Internet]. 2007 [acesso em 15 fev. 2016];18(1):57-67.

Leite SN, Vasconcelos MPC. Adesão a terapêutica medicamentosa: elementos para a discussão de conceitos e pressupostos adotados na literatura. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;8(3):775-82. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000300011.

Barros RP, Mendonça R, Santos D. Incidência e natureza da pobreza entre idosos no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA; 1998. Texto para discussão, nº 686.

Vasconcelos FF, Victor JF, Moreira TMM, Araújo TL. Utilização medicamentosa por idosos de uma Unidade Básica de Saúde da Família de Fortaleza – CE. Acta Paul Enferm. 2005;18(2):178-83. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002005000200010

Daniel ACQG, Veiga EV. Fatores que interferem na adesão terapêutica medicamentosa em hipertensos. Einstein. 2013;11(3):331-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1679-45082013000300012

Saraiva KRO, Santos ZMSA, Landim FLP, Teixeira AC. Saber do familiar na adesão da pessoa hipertensa ao tratamento: análise com base na educação popular em saúde. Texto Contexto Enferm. 2007;16(2):263-70. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072007000200008

Szymanski H. Teorias e “teorias” de famílias. In: Carvalho MCB. A família contemporânea em debate. São Paulo: EDUC/Cortez; 2003. p. 45-54.




DOI: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2018v20i1a3

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.