Duração e frequência de consultas médicas e sua influência no tempo de aleitamento materno em uma unidade básica de saúde

Gabriela Moreira de Toledo, Paula Savério de Oliveira Prata Penna, Luciana Maria de Andrade Ribeiro

Resumo


Introdução: A Organização Mundial da Saúde recomenda aleitamento materno exclusivo por seis meses e complementado até os dois anos. A maior duração do aleitamento materno diminui risco de obesidade e infecções. Objetivo: Descrever as taxas de aleitamento materno exclusivo e misto em uma população de uma unidade de saúde, bem como os fatores de desmame; comparar o tempo de aleitamento exclusivo e total entre as crianças atendidas por profissionais da prefeitura e alunos da faculdade de medicina. Métodos: Estudo retrospectivo, com revisão de 610 prontuários de crianças nascidas de janeiro de 2010 a dezembro de 2013 em seguimento na Unidade em questão. Resultados: O tempo médio de aleitamento exclusivo foi de 117 dias e o de aleitamento misto de 246 dias. A prevalência de aleitamento materno exclusivo no primeiro mês foi de 82,3%, superior às taxas da região Sudeste, tendo como fatores associados ao desmame precoce: parto cesárea, baixa produção de leite, tipo de atendimento. Conclusões: Observamos tempos de aleitamento materno exclusivo e total acima das médias nacionais e internacionais para esta população, particularmente no atendimento acadêmico onde as pacientes tem tempo de consulta maior e com maior possibilidade de reavaliação durante o primeiro mês de vida. A inclusão dos pacientes com registros mais completos e, portanto, exclusão daqueles onde não houve registro adequado, pode ter levado ao superdimensionamento destas taxas, pois não sabemos se a falta de registro está ou não acompanhada da orientação adequada para o aleitamento materno.


Palavras-chave


aleitamento materno; desmame precoce; relação mãe-filho; centros de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Caminha MFC, Serva VB, Arruda IKG, Batista Filho M. Aspectos históricos, científicos, socioeconômicos e institucionais do aleitamento materno. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2010;10(1):25-37. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292010000100003

Baptista GH, Andrade AH, Giolo SR. Fatores associados à duração do aleitamento materno em crianças de famílias de baixa renda da região sul da cidade de Curitiba, PR, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009;25(3):596-604. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000300014

Kramer MS, Kakuma R. The optimal duration of exclusive breastfeeding (review). Cochrane Database Syst Rev. 2012;(8):CD003517. DOI: 10.1002/14651858.CD003517.pub2

Toma TS, Rea MF. Benefícios da amamentação para a saúde da mulher e da criança: um ensaio sobre as evidências. Cad Saúde Pública. 2008;24(supl.2):342-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001400009

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009. (Série A. Normas e Manuais Técnicos Cadernos de Atenção Básica, n.º 23).

WHO Collaborative Study Team on the role of breastfeeding on the prevention of infant mortality. Effect of breastfeeding on infant and child mortality due to infectious diseases in less developed countries: a pooled analysis. Lancet. 2000;355(9202):451-5.

Birch LL, Fischer JO. Development of eating behaviors among children and adolescents. Pediatrics. 1998;101:539-49.

Aleitamento materno: proteção, promoção e apoio. O papel especial dos serviços materno-infantis (OMS 1989). Femina. 1992;20(9):969-72.

Santos FS, Santos FC, Santos LH, Leite AM, Mello DF. Aleitamento materno e proteção contra diarreia: revisão integrativa da literatura. Einstein (São Paulo). 2015;13(3):1-6. DOI:10.1590/S1679-45082015RW3107

Prefeitura de Sorocaba. Na Semana Mundial de Amamentação, Sorocaba comemora aumento da adesão ao aleitamento materno. Portal da Cidadania [Internet]. Sorocaba: Prefeitura de Sorocaba; jul. 2010 [acesso em 28 fev. 2014]. Disponível em: http://www.sorocaba.sp.gov.br/noticia/15986/

Demétrio F, Pinto EJ, Assis AMO. Fatores associados à interrupção precoce do aleitamento materno: um estudo de coorte de nascimento em dois municípios do Recôncavo da Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(4):641-50.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000400004

Venancio S, Escuder MM, Kitoto P, Rea MF, Monteiro CA. Frequência e determinantes do aleitamento materno em municípios do Estado de São Paulo. Rev Saúde Pública. 2002;36(3):313-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000300009

Taddei JAC, Warkentin S, Viana KJ, Colugnati FAB. Duração e determinantes do aleitamento materno exclusivo entre crianças brasileiras menores de dois anos. Rev Nutr. 2013;26(3):259-69. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732013000300001

Troiano RP, Flegal KM, Kukzmarski RJ, Campbell SM, Johnson CL. Overweight prevalence and trends for children and adolescents: The National Health and Nutrition Examination Surveys, 1963 to 1991. Arch Pediatr Adolesc Med. 1995; 149. DOI:10.1001/archpedi.1995.02170230039005

Vieira TO, Vieira GO, Oliveira NF, Mendes CM, Giugliani ERJ, Silva LR. Duration of exclusive breastfeeding in a Brazilian population: new determinants in a cohort study. BMC Pregnancy Childbirth. 2014;14:175. DOI: https://doi.org/10.1186/1471-2393-14-175




DOI: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2018v20i1a6

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.