Paracoccidioidomicose: forma crônica cutânea

Carolina Daniela Ricci, Caroliny Evangelista, Bianca Caroline Alvim Tomaz, Marcos Vinicius da Silva, Maria Lourdes Peris Barbo

Resumo


A paracoccidioidomicose (PCM) é uma micose sistêmica frequente no Continente Americano, com maior incidência nos países da América Latina. No Brasil, as regiões sul, sudeste e centro-oeste são as que apresentam o maior número de casos. A PCM acomete, principalmente, a população masculina ligada às atividades agrícolas. A infecção, geralmente, ocorre pela inalação do fungo dimórfico, Paracoccidioides brasiliensis, que adquire a forma leveduriforme infectante. Dessa forma, os pulmões e as vias aéreas superiores são os primeiros locais acometidos. A disseminação pode ocorrer por via hematogênica ou linfática, com consequente instalação de focos quiescentes em diferentes órgãos e sistemas. Dessa maneira, a PCM pode ser classificada em forma aguda ou subaguda ou crônica, dependendo da sua evolução e quadro clínico. O presente trabalho tem como objetivo apresentar um caso clínico de paracoccidioidomicose forma crônica, com ênfase no diagnóstico diferencial e nas peculiaridades no comprometimento cutâneo da doença.


Palavras-chave


fungos mitospóricos; micoses; paracoccidioides; paracoccidioidomicose; diagnóstico.

Texto completo:

PDF

Referências


Marques SA, Camargo RMP, Cortez DB, Marques MEA, Lastória JC. Paracoccidioidomicose: frequência, morfologia e patogênese de lesões tegumentares. An Bras Dermatol. 2007;82(5):411-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962007000500003

Fortes MRP, Miot HA, Kurokawa CS, Marques MEA, Marques SA. Imunologia da paracoccidioidomicose. An Bras Dermatol. 2011;86(3):516-24. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962011000300014

Costa MAB, Carvalho TN, Araújo Júnior CR, Borba AOC, Veloso GA, Teixeira K. Manifestações extrapulmonares da paracoccidioidomicose. Radiol Bras. 2005;38(1):45-52. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-39842005000100010

Shikanai-Yasuda MA, Telles Filho FQ, Mendes RP, Colombo AL, Moretti ML. Consenso em paracoccidioidomicose. Rev Soc Bras Med Trop. 2006;39(3):297-310. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822006000300017

Montenegro MR. Formas clínicas da paracoccidioidomicose. Rev Inst Med Trop São Paulo. 1986;28(3):203-4. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46651986000300012

Junqueira FM. Perfil dos pacientes com paracoccidioidomicose e comparação dos tratamentos realizados no Conjunto Hospitalar de Sorocaba – SP [dissertação]. Sorocaba: UNISO Universidade de Sorocaba; 2011.

Vieira T, Martinez R, Ferreira CM, Cardoso JA, Falcão GGVSC, Farias JG. Lesões de paracoccidioidomicose acometendo tecido cutâneo e mucosa bucal: relato de caso clínico. Rev Bahiana Odontol. 2013;4(1):54-64. DOI: http://dx.doi.org/10.17267/2238-2720revbahianaodonto.v4i1.135

Trad HS, Trad CS, Elias Junior J, Muglia VF. Revisão radiológica de 173 casos consecutivos de paracoccidioidomicose. Radiol Bras. 2006;39(3):175-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-39842006000300005

Gomes E, Wingeter MA, Svidzinski TIE. Dissociação clínico-radiológica nas manifestações pulmonares da paracoccidioidomicosercia. Rev Soc Bras Med Trop. 2008;41(5):454-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822008000500004

Bisinelli JC, Telles FQ, A. Sobrinho J, Rapoport A. Manifestações estomatológicas da paracoccidioidomicose. Rev Bras Otorrinolaringol. 2001;67(5):683-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992001000500013

Pedroso VSP, Vilela MDC, Pedroso ERP, Teixeira AL. Paracoccidioidomicose com comprometimento do sistema nervoso central: revisão sistemática da literatura. Rev Soc Bras Med Trop. 2009;42(6):691-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822009000600016




DOI: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2018v20i1a12

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. ISSN eletrônico 1984-4840

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.