A importância do grotesco

Galin Tihanov

Resumo


Proponho a consideração do grotesco tanto como gênero discursivo, atitude e prática cultural, quanto como um ponto de partida que nos permite comentar mais amplamente a obra de Bakhtin relativa a Rabelais e seu significado para as discussões atuais referentes à subjetividade. No carnaval, o épico reverbera a memória ilimitada “das perturbações cósmicas passadas”, enquanto o romanesco vive na flutuação grotesca e remoção de distâncias e, por meio do riso, na celebração irreverente e alegre da resiliência. Assim como o épico, o carnaval relaciona-se com a manutenção de práticas tradicionais, porém isso ocorre de forma “romanesca”, aberta e indulgentemente incerta. O livro sobre Rabelais parece ser o ponto em que, ao reconciliar e sintetizar a cultura e a vida em atos do corpo humano, ao retrabalhar e redesenhar as barreiras de tabus culturais e ao defender uma simbiose entre o épico e o romanesco, Bakhtin advoga uma nova percepção da tradição inscrita na irreverente vida da cultura do povo (comunidade). Essa celebração das pessoas reabre a incômoda questão a respeito das implicações políticas dos pronunciamentos de Bakhtin sobre o épico e o romanesco, a cultura comunitária e a individual, e a desejada síntese entre eles. Mas ela também nos permite situar o estilo do pensamento de Bakhtin e sua específica marca de humanismo descentralizado, de fato, deslocado.

Palavras-chave


Grotesco; Corpo; Valor cultural; Subjetividade; Humanismo; Bakhtin

Texto completo:

PDF PDF (English)

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.