BASES ESTRUTURAIS DA EDUCAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO BRASIL: UM PANORAMA DAS CONDIÇÕES DE CURSO E DOCÊNCIA.

Laura Henrique Corrêa

Resumo


O artigo focaliza a construção do curso de graduação em administração    pública e a formação da docência nesta área de conhecimento. Com o objetivo de identificar o perfil do curso e dos educadores no Brasil, foi feita uma análise descritiva    dos indicadores de qualidade obtidos a partir do censo e do conceito de curso da educação superior no ano de 2015 sobre as instituições, titulação e o regime de trabalho. Entre as conclusões destaca-se que a inserção e manutenção da graduação em administração pública foi discutida ao longo do percurso brasileiro e que os   profissionais que atuam hoje são fruto de um período de ausência dessa graduação na história do país. A predominância dos cursos se dá em universidades públicas e à docência em regime integral. Foram apresentadas discrepâncias regionais, tanto no número de cursos quanto na formação docente, caracterizando as bases estruturais da educação em administração pública no Brasil.

Palavras-chave


administração pública, educação, docência.

Texto completo:

PDF Remoto

Referências


Barros, A. (2017). Antecedentes dos cursos superiores em Administração brasileiros: as escolas de Comércio e o curso superior em Administração e Finanças. Cadernos EBAPE. BR,15(1), 88-100.

Coelho, F. S.; Nicolini, A. M. (2014). Revisitando as origens do ensino de graduação em administração pública no Brasil (1854-1952). Revista de Administração Pública, 48 (2), 367-388.

Coelho, F. (2006). Educação superior, formação de administradores e setor público: um estudo sobre o ensino de administração pública em nível de graduação no Brasil. Tese de doutorado, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 151p. Recuperado em 28 junho 2018 de http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/2488.

Coelho, F; Olenscki, A; Celso, R. (2011) Da letargia ao relento: notas sobre o ensino de graduação em administração pública no Brasil no entremeio da crise do Estado e da redemocratização no país (1983-94). Revista de Administração Pública, 45(6), 1707- 1732. Recuperado em 10 maio 2018 de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034- 76122011000600005&script=sci_abstract&tlng=pt.

Coelho, F. S.; Nicolini, A. M. (2013). Do auge à retração: análise de um dos estágios de construção do ensino de administração pública no Brasil (1966-1982). Organizações & Sociedade, 66(20), 403-422.

Chauí, M. (2003). A universidade pública sob nova perspectiva. Revista brasileira de educação, 24, 5-15. Recuperado em julho 2018 de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-000300002&script=sci_abstract&tlng=pt

Decreto 3860/01, de 09 de julho de 2001. Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. (2001). Brasília. Recuperado em 21 junho 2018 de http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/DecN3860.pdf.

Fischer, T. (1984) Administração pública como área de conhecimento e ensino: a trajetória brasileira. Revista de Administração de Empresas, 24 (4), 278-288. Recuperado em julho 2018 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034- 75901984000400038.

Gurgel, C. (2010). Análise do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes após o primeiro ciclo avaliativo das áreas de agrárias, saúde e serviço social do Estado do Piauí. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 18 (66), 85-104. Recuperado em agosto 2018 de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104- 40362010000100006&script=sci_abstract&tlng=pt.

Inep. Nota Técnica. Nº 3/2017/CGCQES/DAES. (2017). Recuperado em junho de 2018, de http://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/notas_tecnicas/2015/nota_tecni ca_daes_n32017_calculo_do_cpc2015.pdf.

Inep. Nota Técnica. Nº 4/2017/CGCQES/DAES. (2017) . Recuperado em junho de 2018, de http://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/notas_tecnicas/2015/nota_tecni ca_daes_n42017_calculo_do_igc2015.pdf.

Inep. Nota Técnica. Nº 2/2017/CGCQES/DAES. (2017). Recuperado em junho de 2018, de http://download.inep.gov.br/educacao_superior/enade/notas_tecnicas/2015/nota_tecni ca_daes_n22017_calculo_do_conceito_enade2015.pdf.

Lacerda, L; Ferri, C. (2015). Relações entre indicadores de qualidade de ensino e desempenho de estudantes dos cursos de Pedagogia do Brasil no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 96 (242), 129-145.

Lei n. 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece diretrizes e bases da educação nacional (1996). Brasília. Recuperado em 20 julho 2018 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm

Oliveira, E; Piconez, S. (2017) Avaliação da educação superior nas modalidades presencial e a distância: análises com base no Conceito Preliminar de Cursos (CPC). Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 22 (3), 833-851. Recuperado em abril de 2018, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414- 40772017000300833&script=sci_abstract&tlng=pt

Serva, M. (1990). Contribuições para uma teoria organizacional Brasileira. Revista de Administração Pública, R.A.P, 24 (2), 10-21. Recuperado em janeiro de 2019, de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/9047

Silva, B. (1958) Gênesis do Ensino de Administração Pública no Brasil. Cadernos de Administração Pública, EBAP, 49. Recuperado em janeiro de 2018, de http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/12004.

Vendramini, P. (2013). Análise do curso de Administração Pública da UDESC – ESAG à luz das competências. Tese de doutorado, Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 249p. Recuperado em agosto de 2018, de http://www.adm.ufba.br/pt-br/publicacao/ensino-administracao-publica- desenvolvimento-competencias-contribuicao-curso.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Pontifícia Universidade Católica de São Paulo / PUC-SP. Rua Monte Alegre, 984. Cep: 05014-901. São Paulo - SP - Brasil. Faculdade de Economia e Administração (FEA), Departamento de Administração. Fone (11) 3670-8147. ISSN 1414-7394.