A rememoração como instrumento de combate ao estado de exceção

Wagner Alves Guedes

Resumo


A suspensão dos direitos sob qualquer forma de alegação, a exemplo do estado de guerra ou de sítio, decerto, coloca a vítima em uma condição singular de vulnerabilidade. Ao vitimado nada resta, senão a passividade iminente à condição imposta. Nesse sentido, dado a essas premissas há uma obvia dificuldade na ultrapassagem dessas barreiras, contudo, ao fazê-lo, seu testemunho tornar-se-á contraceptivo no que tange a ideia de cercear o que pode tornarse um padrão atuante dos estados a fim de uma normatização do processo. Não obstante, seria correto afirmar que o testemunho está intimamente ligado ao tempo, que de certa forma atua a favor do estado ou do vitimado. No primeiro caso, como um instrumento ardiloso de esquecimento do ato, ou seja, encobrindo os fatos abusivos da promulgação do estado de exceção. Para o vitimado, sintetizar e expor o ocorrido seria então, um meio de jamais esquecer as transgressões cometidas, evitando ou mesmo dificultando sua repetição.

Palavras-chave


Estado de exceção; Rememor ização; Transgreção; Abuso

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19176/rct.v0i77.14554

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



A Revista de Cultura Teológica está:

Associada a:

Indexada em:

  Google Acadêmico

Presença em Bibliotecas: