A LEI N. 11.645/08 E OS TUPINAMBÁS NAS AULAS DE HISTÓRIA: A VISÃO DOS(AS) ALUNOS(AS) E AS PERSPECTIVAS DE UM NOVO OLHAR

Maria do Carmo Barbosa De Melo, Carolyne do Monte De Paula

Resumo


Neste artigo apresentamos as possibilidades, de uma prática de ensino desenvolvida no Laboratório de Ensino de História UPE/Campus Mata Norte, voltada para o ensino de história indígena, tendo o objetivo de promover uma educação intercultural e de contribuir com o processo de mudança apontado pela Lei 11.645/2008. A abordagem advém do resultado de certa experiência desenvolvida em sala de aula, de escola de ensino básico, sobre a leitura da obra literária de caráter cosmológico, Meu destino é ser onça, de Alberto Mussa, que nos permitiu conhecer a importância do estreitamento da Literatura com a História. A partir da leitura participativa da obra, os(as) educandos(as) responderam questões e produziram imagens. Analisando tais produções, considerando a teoria da recepção literária em que o leitor é protagonista no processo de leitura e as narrativas por meio da abordagem da teoria fundamentada nos dados, buscamos perceber como essa prática contribuiu para a promoção de uma educação intercultural e o desenvolvimento da criticidade histórica na perspectiva Rüseniana.


Palavras-chave


Lei 11.645/2008; Ensino de História; Educação Intercultural.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2019v17i4p1684-1710

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais