A EDUCAÇÃO E A URGÊNCIA DE “DESBARBARIZAR” O MUNDO

Elizabeth Macedo

Resumo


Neste texto, foco as recentes políticas curriculares no Brasil, inserindo-as em um cenário de hegemonia da racionalidade neoliberal. Assumo que tais políticas produziram um discurso de inclusão e justiça social, em diálogo com movimentos internacionais que, no pós-guerra, defenderam uma retórica contra a barbárie. A partir de análises formuladas por Chantal Mouffe, Wendy Brown, Judith Butler, Pierre Dardot e Christian Laval, tento entender o esgotamento ou a emergência de uma nova forma da racionalidade neoliberal. Por um lado, assumo que tal racionalidade não criou as condições materiais para que as promessas do pós-guerra se materializassem, ao contrário ampliou a desigualdade e a oligarquização. Por outro, argumento que, ao desprezar o político, ela apostou na desdemocratização. Combinados, tais movimentos desembocaram na ascensão de governos de direita em diferentes países, inclusive no Brasil. Após essa análise, defendo que uma educação para justiça social – ou para desbarbarizar o mundo – precisa corroer a equação neoliberal, não apenas na resistência às políticas públicas, mas na própria forma como teorizamos o currículo.


Palavras-chave


Políticas de currículo; Justiça social; Neoliberalismo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1809-3876.2019v17i3p1101-1122

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista e-Curriculum                                   e-ISSN 1809-3876

Indexadores:

Nacionais

              

 

Internacionais