Restrições de localidade nas formações de diminutivo do português brasileiro: mapeando uma relação de dependência entre -inh e gênero*

Paula Roberta Gabbai Armelin

Resumo


Este trabalho investiga a estrutura morfossintática das formações de

diminutivo do português brasileiro construídas com o formativo -inh. A

partir de uma perspectiva sintática de formação de palavras, propomos

que -inh não é capaz de projetar seu rótulo na estrutura sintática.

Propomos também que -inh se anexa a uma projeção de gênero, que é

entendida como parte da projeção estendida do nome, sendo responsável

por categorizar a raiz. Essa estrutura é capaz de derivar as relações de

localidade apropriadas entre a raiz, o núcleo de gênero e o morfema

de diminutivo, capturando as propriedades empíricas dessas formações.


Palavras-chave


diminutivo; genero; localidade; morfossintaxe

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Revista Delta-Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada ISSN 1678-460X