JIGSAW II COMO PROPOSTA INICIAL NO ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA

Claudio Mendes Dias, Kleber Mendes Dias, Daniel Gomes Sasaki

Resumo


Este artigo descreve o emprego da Metodologia de Aprendizagem Ativa (MAA) chamada Jigsaw II, com o suporte de recursos digitais, no curso de administração do terceiro ano do Ensino Médio na Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) do Campus Centro do Colégio Pedro II. Seu objetivo é refletir sobre a possibilidade da sua utilização nessa modalidade de ensino e os desafios que foram gerados ao longo da sua execução no processo de ensino-aprendizagem na disciplina de matemática e na introdução do conteúdo de análise combinatória, cuja contextualização inicial se deu pela história do surgimento dos códigos de barras. Nesse período, vinte dois alunos, entre vinte e oitenta anos, participaram da dinâmica da implementação da metodologia, cuja proposta perpassou pela pesquisa, fora de sala de aula, sobre o a origem dos códigos; pelo debate a partir do processo colaborativo em grupos e por uma avaliação, na sala de informática, utilizando uma plataforma de criação de questionários. Como resultado, pode-se observar que os alunos se envolveram mais com a atividade, se mostrando mais solidários e interessados com o seu aprendizado.


Palavras-chave


Metodologias Ativas; Matemática; PROEJA; Jigsaw

Texto completo:

PDF

Referências


BATANERO, C. Razonamiento combinatorio en alumnos de secundaria. Educación Matemática. n. 8. v. 1, p. 26-39, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2016. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/inicio>. Acesso em: 10 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura, Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA. Documento Base. Brasília, DF, 2007.

CANDAU, V. M.; LELIS, I. A. A relação teoria‐prática na formação do educador. In: CANDAU, V. M. (Org.). Rumo a uma nova didática. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

CHAVES, E. O. C. O computador na Educação. Disponível em: < http://www.ich.pucminas.br/pged/db/wq/wq_pmv/local/ec_funteve.htm>. Acesso em: 20 dez. 2018.

CIAVATTA, M. A Formação Integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. In: FRIGOTTO, G. CIAVATTA, M. RAMOS, M. (Orgs). Ensino Médio Integrado: concepção e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

COCHITO, M. Cooperação e Aprendizagem. Lisboa: ACIME, 2004. Disponível em: Acesso em: 07 jan. 2019.

D’AMBROSIO, U. A História da Matemática: questões historiográficas e políticas e reflexos na Educação Matemática. In: BICUDO, M. A. V. (org.). Pesquisa em Educação Matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: UNESP, 1999, p. 97-115.

FERNANDES, J. A.; CORREIA, P. F. Estratégias intuitivas de alunos do 9º ano de escolaridade na resolução de problemas de combinatória. In: Libro de Actas do Congresso Internacional Galego-português de Psicipedagoxia. 2007. A Coruña/Universidade da Coruña. Revista Galego-portuguesa de Psicoloxia e Educación. p. 1256-1267.

HADAR, N; HADASS, R. The Road to Solving a Combinatorial Problem is Strewn With Pitfalls. Educational Studies in Mathematics , Dordrecht, v. 12, p. 435-443, 1981.

JOHNSON, D.W. e JOHNSON, R.T. Instructionalgoalstructure: cooperative, competitiveorindividualistic. Review ofEducationalResearch, v. 44, p. 213-240, 1974.

LOPES, J.;SILVA, H. Aprendizagem Cooperativa na Sala de Aula: Um Guia Prático para o Professor. Lisboa: Lidel, 2009.

MEDEIROS, C. F. Por uma educação matemática como intersubjetividade. In: BICUDO, M. A. V. Educação matemática. São Paulo: Cortez, 1987. p.13-44.

MORGADO et al. Análise Combinatória e Probabilidade. Rio de Janeiro: Sbm, 1991.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: D. Quixote, 1995.

PINTO, A. V. Sete lições sobre educação de adultos. São Paulo: Editora Cortez, 2010.

RIBEIRO, V. M. Educação de jovens e adultos: novos leitores, novas leituras. São Paulo: Mercado de Letras, 2002.

ROA, R. Razonamiento combinatório em Estudiantes com preparación matemática avanzada. Tesis doctoral. Departamento de Didáctia de la Matemática. Universidad de Granada, 2000.

ROA, R.; NAVARRO-PELAYO, V. Razonamiento Combinatorio e Implicaciones para la Enseñanza de la Probabilidad. Jornadas europeas de estadística, Ilhas Baleares, 10 e 11 de outubro de 2001.

SLAVIN, R. E. Cooperative learning. New York: Longmann, 1983.

PINTO, A. V. Sete lições sobre educação de adultos. São Paulo. Editora Cortez, 2010.

VYGOTSKI, L. S. Psicologia pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2003.




DOI: https://doi.org/10.23925/2358-4122.2020v7i1p191-208

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ensino da Matemática em Debate (ISSN 2358-4122)

Indexadores:

      

  


Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional