Tradução de textos matemáticos para a linguagem natural em situações de ensino e aprendizagem
Translation of mathematical texts to natural language in teaching and learning situations

Marisa Rosâni Abreu da Silveira

Resumo


Este texto tem o objetivo de analisar os problemas de tradução de textos matemáticos em situações de ensino e aprendizagem. Para tanto se buscou os estudos de filósofos e matemáticos que se dedicam, entre outras questões, ao trabalho da tradução. O debate daqueles que discutem a tradução de textos literários centra-se na pergunta: deve-se traduzir o sentido ou as palavras da obra a ser traduzida? Na tradução de textos científicos, a pergunta é outra: em que medida os conceitos produzidos em linguagem natural[1] são susceptíveis de cientificidade? Nesses termos, uma boa tradução impõe uma lógica e a necessidade de se operar com a linguagem matemática, já que a linguagem natural é polissêmica. A análise da tradução de textos matemáticos sob o ponto de vista pedagógico concilia as perguntas levantadas por filósofos e matemáticos. Alguns educadores apostam não em uma mera tradução de palavras, e sim, na procura de sentidos do texto matemático, porém, advertem que tal interpretação se depara com critérios lógicos que são necessários para que o texto traduzido não entre em contradição com a lógica da matemática. Neste sentido, traduzir um texto matemático é interpretar enunciados e regras matemáticas, portanto, é ler o que está escrito além do texto codificado, assim como, significa ver um objeto como algo que segue técnicas.

 

Abstract

This text aims to analyze the translation problems of mathematical texts in teaching and learning situations. For that, we sought studies of philosophers and mathematicians engaged, among other issues, in the work of translation. The debate of those who discuss the translation of literary texts focuses on the question: should we translate the meaning or the words of the work to be translated? In the translation of scientific texts, the question is: to what extent the concepts produced in natural language are likely to scientism? In these terms, a good translation requires logic and the need to operate with mathematical language, since natural language is polysemic. The analysis of the translation of mathematical texts from the pedagogical point of view conciliates the questions raised by philosophers and mathematicians. Some educators bet, not on a mere translation of words, but in the seeking of the meaning of the mathematical text, however, they warn that such an interpretation is faced with logical criteria that are necessary for the translated text does not contradict the logic of mathematics. Thus, translate a mathematical text is to interpret mathematical statements and mathematical rules, therefore, is to read what is written beyond the encoded text, as well as see an object as something that follows techniques.

 


[1] Língua materna é a primeira língua de um sujeito. Neste texto, utilizamos linguagem natural para se diferenciar da linguagem matemática.

 


Palavras-chave


Tradução de textos matemáticos, Interpretação, Ensino e Aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


AIROLDI, Sergio; PONTANI, Paola. Problèmes de traduction de textes mathématiques. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2012.

AUSTIN, J. L.; HOWSON, A.G.. Language and mathematical education. Disponível em:: < http://www.springerlink.com/content/qr1016205831t733/fulltext.pdf>. Acesso em: jan. 2012.

BACQUET, Michelle. Matemática sem Dificuldades: ou como evitar que ela seja odiada por seu aluno. Porto Alegre: ARTMED Editora, 2001 (tradução de Maria Elizabeth Schneider)

BARUK, Stella. Échec et maths. Paris: Éditions Du Seuil, 1973.

BARUK, Stella. L’âge du capitaine: De l’erreur en mathématiques. Paris: Éditions du Seuil, 1985.

BÉLANGER, Marco; DE SERRES, Margot. Les erreurs langagières en mathématiques. In.: Correspondance. Vol.3, Nº. 4, abril 1998.

BENJAMIN, Walter. A tarefa-renúncia do tradutor. In: BRANCO, Lúcia Castello (Org.). A tarefa do tradutor, de Walter Benjamin: quatro traduções para o português. Belo Horizonte: Fale/UFMG, 2008, p. 66-81. Tradução de Susana Kampff Lages.

BOUVERESSE, Jacques. La parole malheurese: de l’alchimie linguistique a La grammaire philosophique, Paris: Les Editions Minuit, 1971.

BOUVERESSE, Jacques. Wittgenstein: la rime et la raison (Science, Èthique et Esthétique), Paris: Les Editions Minuit, 1973.

CHAUVIRÉ, Christiane (Org.). Wittgenstein et les questions du sens. Paris: L’art du compreendre - Seraphis, 2011.

DELPHA, Isalelle. Quine, Davidson: Le principe de charité. Vendome: presses Universitaires de France, 2001.

DESANTI, Jean T. Les idealités mathématiques. Paris: Éditions du Seuil, 1968.

DUMMETT, Michael. Que connaît-on lorqu’on connaît un langage?. In: AMBROISE, B.; LAUGIER, S. Philosophie du langage: signification, vérité et réalité. Paris: Librairie Philosophique J. VRIN, 2009, p. 215-241.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FRAÏSSÉ. Roland. Les axiomatiques ne sont-elles qu’un jeu?. In: DIEUDONÉE. J. et alli. Penser les mathématiques (Séminaire de philosophie et mathématiques de l’École normale supérieure). Paris: Éditions du Seuil, 1982, p. 39-57.

GÓMEZ-GRANELL, Carmem. A aquisição da linguagem matemática: símbolo e significado. In: TEBEROSKY, Ana; TOLCHINSKY, Ana. Além da alfabetização: a aprendizagem fonológica, ortográfica, textual e matemática. São Paulo: Editora Ática, 2003, p. 257-282.

GÓMEZ-GRANELL, Carmem. La adquisición del lenguaje matemático: Un difícil equilibrio entre el rigor y el significado. In: Comunicación, Lenguaje y Educación. Barcelona: CL&E, 1989.

GRANGER, Gilles-Gaston. Filosofia do estilo. São Paulo: Perspectiva, Ed. da Universidade de São Paulo, 1974.

GRANGER, Gilles-Gaston. Por um conhecimento filosófico. São Paulo: Papirus, 1989.

LOI, Maurice. Rigueur et ambiguïté. In: DIEUDONÉE. J. et alli. Penser les mathématiques (Séminaire de philosophie et mathématiques de l’École normale supérieure). Paris: Éditions du Seuil, 1982, p. 108-125.

PANZA, Marco. Nombres: Éléments de mathématiques pour philosophes. In.: http://halshs.archives-ouvertes.fr/docs/00/33/74/24/PDF/Master_HAL_.pdf, 2008. Acesso em 23/02/2012.

PANZA, Marco. Platonisme et intentionnalité. In: PANZA, M., SALANSKIS. J., L’objectivité mathématique: Platonismes et structures formelles. Paris: Masson, 1995. (p. 85-109).

PIMM, David. El lenguaje matemático en el aula. Madrid: Ediciones Morata, 2002.

QUINE, Willard Van Orman. Le mot et la chose. Paris: Éditions Flammarion, 2010.

QUINE, Willard Van Orman. Le mythe de la signification. In: AMBROISE, B.; LAUGIER, S. (Org.). Philosophie du langage: Signification, vérité et réalité, Paris: Librairie Philosophique J. VRIN, 2009, p. 147-194.

REYNES, Francis. Une tentative d’approche du langage mathématique. In: . Acesso em: 10/04/2012.

RICOEUR. Paul. Sobre a tradução. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

SALANSKIS, Jean-Michel. Philosophie des mathématiques. Paris: Librairie Philosophique J. VRIN, 2008.

SERRES, Michael. La traduction. Paris: Les Editions Minuit, 1974.

SILVA, Benedito A. et al. Educação Matemática : uma introdução. São Paulo: EDUC, 1999.

SILVEIRA, Marisa R. Abreu da. Aplicação e interpretação de regras matemáticas. São Paulo: Revista Educação Matemática e Pesquisa da PUC, 2008, vol. 10, p. 93-113.

TARSKI, Alfred. A concepção semântica da verdade. São Paulo: Ed. Unesp, 2007.

THOM, René. Apologie du logos. Paris: Hachette, 1990.

THOM, René. Paraboles et catastrophes. Paris: Flammarion, 1989.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Fichas (Zettel). Lisboa: Edições 70, 1989.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. Rio de Janeiro: Coleção Pensamento Humano, 1996.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Observaciones sobre los fundamentos de la matemática. Madrid: Alianza Editorial, 1987.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA