Autoeficácia Estatística: diferenças entre áreas do conhecimento e relação com desempenho
Statistics Self-Efficacy: differences between areas of knowledge and relationship with performance

Marcia Senna de Souza, Mauren Porciúncula

Resumo


Resumo

A presente pesquisa tem por objetivo verificar a autoeficácia estatística de 852 graduandos matriculados em disciplinas que contemplam a Estatística Descritiva. Foram comparadas as pontuações em uma Escala de Autoeficácia Estatística por graduandos de cursos de diferentes áreas do conhecimento do CNPq, selecionados por meio de uma amostra probabilística estratificada. Além disso, foi verificado se há correlação entre a autoeficácia estatística e o desempenho na disciplina. Os resultados mostraram não haver diferenças significativa entre os valores médios de autoeficácia percebida de cada estrato e apontaram a existência de correlação positiva moderada entre a autoeficácia estatística e  o desempenho.

 

Abstract

This research aims to verify the statistical self-efficacy by 852 undergraduation students, enrolled in disciplines that include the Descriptive Statistics. The scores were compared in a Self-efficacy Statistics Scale, for undergraduate courses from different areas of knowledge of the CNPq, selected through a stratified random sample. In addition, it was verified whether there is a correlation between the statistical self-efficacy and performance in course. The results showed no significant differences between the mean values of self-efficacy perceived in each stratum and pointed out the existence of a moderate positive correlation between statistics self-efficacy and performance.


Palavras-chave


Educação Estatística, Ensino Superior, Escala de Autoeficácia Estatística.

Texto completo:

PDF

Referências


ABD-EL-FATTAH, S. M. The Effect of Prior Experience with Computers, Statistical Self-Efficacy, and Computer Anxiety on Students' Achievement in an Introductory Statistics Course: A Partial Least Squares Path Analysis. International Education Journal, v. 5, n. 5, p. 71-79, 2005. Disponível em: < http://files.eric.ed.gov/fulltext/EJ903888.pdf> Acesso em 20 set. 2016

AVILÉS, F. T., et al. Actitudes hacia la estadística en Universitários del Área de las Ciências de una Universidad Pública de Chile. In: Educação Matemática Pesquisa, v. 17, n. 1, 2015. Disponível em : . Acesso em 18 jul. 2016.

BANDALOS, D. L.; YATES, K.; THORNDIKE-CHRIST, T. Effects of math self-concept, perceived self-efficacy, and attributions for failure and success on test anxiety. In: Journal of Educational Psychology, v.87, p. 611–623, 1995.

BANDURA, A. Human agency in social cognitive theory. In: American Psychologist, v. 44, n. 9, p. 1175, 1989a.

BANDURA, A. Social cognitive theory. In R. Vasta (Ed.), Annals of child development, vol.6, p. 1-60, Greenwich, CT: JAI Press. 1989b.

BANDURA, A. .Self-efficacy. In V. S. RAMACHAUDRAN (Ed.), Encyclopedia of human behavior , vol. 4, p. 71-8, New York: Academic Press, 1994.

BANDURA, A. Guide for constructing self-efficacy scales. In: Self-efficacy beliefs of adolescents, v. 5, p. 307-337, 2006.

BATANERO, C. Didáctica de la Estadística. Granada: Universidad de Granada. 2001. Disponível em: . Acesso em 15 jun 2016.

BENSON, J. Structural components of statistical test anxiety in adults: An exploratory study. In: Journal of Experimental Education, v. 57, p. 247–261,1989.

BEN-ZVI, D.; GARFIELD, J. Statistical literacy, reasoning, and thinking: goals, definitions and challenges. In BEN-ZVI, D.; GARFIELD, J. (Eds.) The challenge of developing statistical literacy; reasoning and thinking, p. 3-16. Dordrecht, The Netherlands; Kluwer Academic Publishers, 2004.

CAMPOS, C. R.; WODEWOTZKI, M. L. L.; JACOBINI, O. Educação Estatística teoria e prática em ambientes de modelagem Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

CARIFIO, J.; PERLA, R. Resolving the 50‐year debate around using and misusing Likert scales. In: Medical education, v. 42, n. 12, p. 1150-1152, 2008. Disponível em Acesso em 20 set. 2016.

CAZORLA, I. M. et al. Adaptação e validação de uma escala de atitudes em relação à estatística. In: Anais da conferência internacional: experiências e perspectivas do ensino da estatística, p. 45-57. Florianópolis: ABE.1999.

CENDALES, B.; VARGAS-TRUJILLO, E.; BARBOSA, C. Factores psicológicos asociados al desempeño académico en los cursos universitarios de estadística: diferencias por sexo y área de titulación. In: Avances em Psicología Latinoamericana, v. 31,n. 2, p. 363-375, 2013. Disponível em < http://www.scielo.org.co/pdf/apl/v31n2/v31n2a05.pdf> Acesso em 20 set. 2016.

CURADO M.A.S.; TELES J.; MARÔCO J. Análise de variáveis não diretamente observáveis: influência na tomada de decisão durante o processo de investigação. In: Revista da Escola de Enfermagem da USP.v.48, n. 1, p.149-56, 2014. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48n1/pt_0080-6234-reeusp-48-01-146.pdf> Acesso em 20 set. 2016.

FINNEY,S. J.; SCHRAW, G. Self-efficacy beliefs in college statistics courses. In: Contemporary Educational Psychology, v.28, n. 2, p. 161–186, 2003.

GAL, I.; GINSBURG, L. The role of beliefs and attitudes in learning statistics: towards and assessment framework. Journal of Statistics Education, 2(2). 1994. Disponível em: < http://www.amstat.org/publications/jse/v2n2/gal.html>. Acesso em 17 jun. 2016.

HALL, S.; VANCE; Eric A. Improving self-efficacy in statistics: Role of self explanation and feedback. In. Journal of Statistics Education, v. 18, n. 3, p. 1-22,

HORA, H. R. M.; MONTEIRO, G. T. R.; ARICA, J. Confiabilidade em questionários para qualidade: um estudo com o Coeficiente Alfa de Cronbach. In: Produto & Produção, v.11, n.2, p.85-103, 2010.

LI, L. K. A Study of the Attitude, Self-efficacy, Effort and Academic Achievement of City U Students towards Research Methods and Statistics. In: Discovery–SS Student E-Journal, v. 1, n. 2, p. 154-183, 2012.

PAJARES, F.; OLAZ, F. Teoria social cognitiva e autoeficácia: uma visão geral. In Bandura, A.; Azzi, R. G.; Polydoro, S.. Teoria Social Cognitiva: conceitos básicos. Porto Alegre: Artmed, p. 97-114, 2008.

PINTRICH, P. R.; DE GROOT, E. V. Motivational and self-regulated learning Components of classroom academic performance. In: Journal of Educational Psychology, v.82, n.1, p.33-40, 1990.

RODRIGUES, L. C.; BARRERA, S. D. Auto-eficácia e desempenho escolar em alunos do ensino fundamental. In: Psicologia pesquisa, Juiz de Fora , v. 1, n. 2, p. 41-53, dez. 2007 . Disponível em . Acesso em15 ago. 2016

SILVA, C. B. et al. Atitudes em relação à estatística e à matemática. In: Psico USF, v. 7, n. 2, p. 219-228, 2002. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/pusf/v7n2/v7n2a11.pdf>. Acesso em ago. 2016.

SCHNEIDER, W. R. The relationship between statistics self-efficacy, statistics anxiety, and performance in an introductory graduate statistics course.Tese de Doutorado, Universityof South Florida, 2011. Disponível em < http://scholarcommons.usf.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=4530&context=etd> Acesso em 20 set. 2016.

SOUZA, L. F. I. Crenças de auto-eficácia matemática. In R. G.Azzi & S. A. J. Polidoro (Orgs.), Auto-eficácia em diferentes contextos, p.111-126. Campinas: Alínea. 2006.

SOUZA, L. F. I. Auto-regulação da aprendizagem e a Matemática escolar. Tese de Doutorado. Doutorado em Educação. Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2007.

VENDRAMINI, C.; BRITO, M. Relações entre atitude, conceito e utilidade da Estatística. Psicologia Escolar e Educacional, Campinas , v. 5, n. 1, p. 59-73, 2001. Disponível em: . Acesos em 18 jul 2016.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA