Percepções de estudantes do ensino superior sobre a infografia na divulgação da informação
Perceptions of undergraduation students about the infographics on the published information

Camila Rubira Silva, Suzi Samá

Resumo


Resumo

Os meios de comunicação utilizam cada vez mais técnicas estatísticas na divulgação das mais variadas informações. Nesse sentido, no presente artigo temos por objetivo compreender as percepções de estudantes, do Ensino Superior, sobre a comunicação de informações divulgadas em um infográfico com gráficos. Para tal, organizamos o corpus de análise pelas respostas dos discentes a um questionário. Analisamos as respostas por meio da Análise de Conteúdo. A interpretação das categorias foi realizada com aporte da Teoria de Processamento Humano de Informações Visuais. Na discussão dos resultados buscamos suscitar reflexões a respeito da importância do Letramento Estatístico na formação de cidadãos a fim de que os mesmos desenvolvam competências para ler, interpretar, compreender e criticar informações midiáticas divulgadas em infográficos com gráficos.

 

Abstract

The media increasingly use statistical techniques in the dissemination of the most varied information. In this respect, in this paper we have the objective to understand the perceptions of students, of undergraduation, about a communication of information published in an infographic with graphics. Hence, we organized a corpus of analysis for students' responses to a questionnaire. We analyzed the responses through Content Analysis. The interpretation of the categories was carried out with input from the Theory of Human Processing of Visual Information. In the discussion of the results, we sought to raise reflections on the importance of Statistical Literacy to prepare citizens so that they develop skills to read, interpret, understand and criticize media information published in infographic with graphics.


Palavras-chave


Divulgação da informação; Infográfico com gráficos; Letramento Estatístico.

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, M. A. O Novo Status da Informação e do Conhecimento na Cultura Digital. Informação & Sociedade: Estudos, v.18, n.1, p.79-100, 2008.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Ed. 70, 1977.

CAETANO, L. Referencial para design de infográficos digitais aplicáveis na educação profissional e tecnológica. 2014. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação e Tecnologia) – Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional Em Educação e Tecnologia, Instituto Federal de Educação, Ciência E Tecnologia Sul-Rio-Grandense, 2014.

CAIRO, A. Infografía 2.0: visualización interactiva de información en prensa. Espanha: Alamut (Ed.), 2008a.

_________. Interactividad: la nueva frontera de la visualización de información en prensa. Malofiej, n.15, p. 1–10, 2008b.

CAZORLA, I. M. A relação entre a habilidade viso-pictórica e o domínio de conceitos estatísticos na leitura de gráficos. 2002. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2002.

________. A leitura e a interpretação de gráficos e tabelas Ensino Fundamental e Médio. In: 2° Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, 2008.

CAZORLA, I. M.; CASTRO, F. C. O papel da Estatística na leitura do mundo: o letramento estatístico. Publ. UEPG Ci. Hum., Ci. Soc. Apl., Ling., Letras e Artes, Ponta Grossa, n.16, p.45-53, jun. 2008.

CAZORLA, I. M.; SANTANA, E. R. S. Do Tratamento da Informação ao Letramento Estatístico. Itabuna: Via Litterarum, 2010. 155 p.

CARVALHO, C. Interacção entre pares: Contributos para a promoção do desenvolvimento lógico e do desempenho estatístico, no 7° ano de escolaridade. 2001. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2001.

DE PABLOS C. J. M. Siempre ha habido infografía. Revista Latina de Comunicación Social mai. 1998. Disponível em disponível em . Acesso em: 14 ago. 2016.

GAL, I. Adults’ statistical literacy: Meanings, Componentes, Responsabilities. International Statistical Review, n.70, p.1-25, 2002.

KANNO, M. Infografe: Como e porque usar infográficos para criar visualizações e comunicar de forma imediata e eficiente. São Paulo: Edição eletrônica, 2013.

KOSSLYN, S. M. Graphics and human information processing: A review of five books. Journal of the American Statistical Association, n. 80, p. 499-512, 1985.

LOPES, C. A.; D’AMBROSIO, B. S. Perspectivas para a educação Estatística de Futuros Educadores Matemáticos de infância. In: SAMÁ, S.; SILVA, M. (Org) Educação Estatística: ações e estratégias pedagógicas no Ensino Básico e Superior. Curitiba: Editora CRV, 2015. p. 17-27.

LUPTON, E.; PHILLIPS, J.C. Novos Fundamentos do Design. (Trad.) Borges C. São Paulo: Cosac naify,2008, 248 p.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis – RJ: Vozes, 2001. 80 p.

______. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo, Editora Hucitec, 2006.

PINKER, S. A theory of graph comprehension. In R. Freedle (Ed.), Artificial intelligence and the future testing, Hillsdale, NJ: Erlbaum, p. 73-126, 1990.

SANCHO, V. J. L. La infografía: técnicas, análisis y usos periodísticos. Valencia. Universitat Autónoma de Barcelona, Servei Publicacions, 2001.

SILVA, C. B. Pensamento estatístico e raciocínio sobre variação: um estudo com professores de Matemática. 2007. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo. 2007.

WURMAN, R. S. Ansiedade de Informação: como transformar informação em compreensão. São Paulo, Associados, 1991, 380 p.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA