Limites e possibilidades no planejamento e desenvolvimento de atividades com complexos de estudo na Educação do Campo
Limits and possibilities of planning and development activities with complex method in Rural Education

Línlya Sachs, Larissa Geovana Corrêa

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar os limites e as possibilidades no planejamento e no desenvolvimento de uma proposta pedagógica baseada em um complexo de estudo, intitulado “Luta pela Reforma Agrária”. Para isso, foi realizada uma intervenção pedagógica em uma turma do 7º ano do Ensino Fundamental de uma escola do campo em área de Reforma Agrária, no município de Londrina, Paraná. Como resultado, destacam-se as seguintes possibilidades: a conexão com a realidade, a discussão de temas da atualidade, o interesse na tarefa de casa, a articulação com outros conhecimentos dos alunos e a utilização do inventário da realidade. Por outro lado, a interdisciplinaridade e o trabalho coletivo entre os professores aparecem como alguns limites no trabalho com os complexos de estudo.

This paper aims to analyze the limits and possibilities of planning and development of a pedagogical proposal based on the “Struggle for Agrarian Reform” complex method. For this, a pedagogical intervention was carried out in 7th year of elementary school in an agrarian reform area, at Londrina, Paraná. As a result, we select from the following possibilities: connection to reality, discussion of current topics, interest in homework, articulation with other students’ knowledge and use of the reality inventory. On the other hand, interdisciplinarity and collective work among teachers appear as some limits in working with complex method.


Palavras-chave


Educação do Campo; Complexos de Estudos; Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, R.; ZANLORENSSI, G. A evolução da desigualdade de renda no Brasil e no mundo. Nexo, online, 31 jul. 2017.

BAHNIUK, C. et al. O experimento com os Complexos de Estudo: no coletivo escolar e na formação de educadores. In: SAPELLI, M. L. S. FREITAS, L. C.; CALDART, R. (Org.). Caminhos para transformação da escola: organização do trabalho pedagógico nas escolas do campo: ensaios sobre complexos de estudo. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2015. p. 97-114.

BEREZANSKAYA, E. S. et al. Parte I. In: PISTRAK, M. M. A Escola-Comuna. Tradução de Luiz Carlos de Freitas e Alexandra Marenich. São Paulo: Expressão Popular, 2009. p. 109-325.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Brasília, 23 dez. 1996. Seção 1, p. 27833-27841. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=23/12/1996&jornal=1&pagina=1&totalArquivos=289. Acesso em 09 de novembro de 2019.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS; NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL; MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Estatísticas do Meio Rural 2010-2011. 4 ed. São Paulo: DIEESE; NEAD; MDA, 2011.

FERNANDES, B. M.; CERIOLI, P. R.; CALDART, R. S. Primeira Conferência Nacional “Por Uma Educação Básica do Campo” (texto preparatório). In: ARROYO, M. G.; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. Por uma Educação do Campo. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 19-63.

FREITAS, L. C. A luta por uma pedagogia do meio: revisitando o conceito. In: PISTRAK, M. M. A Escola-Comuna. Tradução de Luiz Carlos de Freitas e Alexandra Marenich. São Paulo: Expressão Popular, 2009. p. 9-101.

HAMMEL, A. C.; FARIAS, M. I.; SAPELLI, M. L. S. Complexos de Estudo – do inventário ao Plano de Estudos. In: SAPELLI, M. L. S. FREITAS, L. C.; CALDART, R. (Org.). Caminhos para transformação da escola: organização do trabalho pedagógico nas escolas do campo: ensaios sobre complexos de estudo. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2015. p. 67-96.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 2010. 2011. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br. Acesso em 17 de julho de 2018.

LEITE, S. C. Escola rural: urbanização e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1999.

LISTA de unidades federativas do Brasil por índice de Gini. In: Wikipédia: a enciclopédia livre. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_unidades_federativas_do_Brasil_por_%C3%ADndice_de_Gini. Acesso em 1 de julho de 2019.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Escola Itinerante: Plano de Estudos. Cascavel: Unioeste, 2013.

MUNARIM, A. Movimento Nacional de Educação do Campo: uma trajetória em construção. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 31., 2008, Caxambu. Anais... Caxambu, 2008, p. 1-17.

OXFAM BRASIL. Terrenos da desigualdade: terra, agricultura e desigualdades no Brasil rural. Oxfam Brasil, 2016.

PIKETTY, T. O Capital no século XXI. Tradução de Monica Baumgarten de Bolle. 1. Ed. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.

SACHS, L.; BORGES, L. G. Escolas Itinerantes do Paraná: paisagem, latifúndio e complexos de estudo. Cadernos CIMEAC, Uberaba, v. 8, n. 1, p. 338-363, 2018.

SACHS, L.; CARVALHO, D. F.; ELIAS, H. R. Propostas matemáticas das escolas itinerantes do Paraná no contexto da luta pela reforma agrária. International Journal for Research in Mathematics Education. v. 9, n. 1, p. 73-93, 2019.

SALGADO, S. Terra. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SAPELLI, M. L. S. Escola do campo – espaço de disputa e de contradição: análise da proposta pedagógica das escolas itinerantes do Paraná e do Colégio Imperatriz Dona Leopoldina. 2013. 448 p. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

SAPELLI, M. L. S. Ciclos de Formação Humana com Complexos de Estudo nas Escolas Itinerantes do Paraná. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 140, p. 611-629, jul./set. 2017.




DOI: https://doi.org/10.23925/1983-3156.2020v22i1p95-119

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA