Futuros matemáticos e suas concepções sobre o conhecimento matemático e seu ensino e aprendizagem
Future mathematicians and their conceptions of the mathematical knowledge and its teaching and learning

Renata Cristina Geromel Meneghetti, Fernando de Mello Trevisani

Resumo


Resumo

Neste trabalho busca-se compreender as concepções de conhecimento, ensino e aprendizagem de matemática de futuros matemáticos. Para tal, apresentamos concepções de conhecimento matemático vigentes em algumas das principais correntes filosóficas da matemática, uma vez que se considera que a prática do professor de matemática sofre influência da forma esse concebe o saber matemática. A pesquisa seguiu uma abordagem qualitativa, estudo de caso, e foi efetuada por meio de entrevistas semiestruturadas e análise documental. Através desta pesquisa, indica-se que o Bacharelado agregado à Licenciatura (ou à parte desta: referente aos conhecimentos didático-pedagógicos de como ensinar) poderia favorecer uma formação mais adequada ao futuro matemático.

Abstract

Taking referential theoretical conceptions of mathematical knowledge present in some of the main mathematics philosophical currents and considering that the teacher´s practice is influenced by his conception of mathematical knowledge, this research aims to understand the conceptions of mathematical knowledge and its teaching and learning teaching of future mathematicians. It follows a qualitative approach (case study) in which the data were collected by semi-structured interviews and document analysis. This investigation has pointed out that Mathematics together with Mathematics Teaching (or part of this: on the didactic and pedagogical knowledge of how to teach) could be important to formation of the future mathematician, who will probably teach in a college or university.

 

Key-words: Mathematics Knowledge; Mathematics Teaching and Learning; Mathematics Degree.

 

 


Palavras-chave


Conhecimento Matemático; Ensino e Aprendizagem de Matemática; Bacharelado em Matemática

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, J. C. (2001). Modelagem Matemática e os professores: a questão da formação. Revista BOLEMA: Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, v. 14, n. 15, p. 5-23.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa – Portugal: Edições 70 LDA, 1977.

BICUDO, M. A.; GARNICA, A. V. M. A. (2003). Filosofia da matemática e sua constituição multifacetada: apontamentos sobre algumas de suas questões geradoras. In: BICUDO, M. A. V. (Org.) Filosofia da educação matemática: concepções e movimento. Brasília: Plano Editora.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Porto – Portugal: Porto.

DOSSEY, J. A. (1992). The nature of mathematics: its role and its influence. In: GROUWS, D. A. Handbook of research on mathematics teaching and learning. New York: Macmillan, Cap. 2. p. 39-48.

ERNEST, P. (1991). The philosophy of mathematics education. Bristol: Farmer.

_______.(Ed.) (1994). Mathematics, education and philosophy: an international perspective. London: Farmer.

FIORENTINI, D. (1995). Alguns modos de ver e conceber o ensino da matemática no Brasil. Revista Zetetiké, Campinas, SP, ano 3, n. 4, p. 1-37.

FIORENTINI, D. & LORENZATO, S.(2006). Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas, SP: Autores Associados.

GARCÍA, C. M. (1999) Formação de Professores: para uma mudança educativa. Lisboa: Porto Editora.

GIL, A. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social – Questionário; Entrevistas e Análise e Interpretação – São Paulo: Atlas.

GOMES, R.(2002) A análise de dados em pesquisa qualitativa (capítulo IV). In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, p. 67 – 80.

GRABINER, J. V. Is mathematical thru time dependent? In: TYMOCZKO, T. (Ed.) New directions in the philosophy of mathematics: an anthology. Boston: Birkhäuser, p. 201-214, 1985.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. (1986). Pesquisas em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU.

MACHADO, C. T. O.; MENEZES, J. E.(2008). Concepções de professores que ensinam matemática sobre números racionais, suas experiências e as implicações em suas práticas na 5a série do Ensino Fundamental. Educação Matemática em Revista. n.25, ano 13, p.5-21.

MENEGHETTI, R. C. G. (2001). O Intuitivo e o Lógico no Conhecimento Matemático: uma análise a luz da história e da filosofia da matemática. 141f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

________. (2003). Pensando uma filosofia da educação matemática, à luz da história e da filosofia da matemática. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2. Santos, SP. Anais... São Paulo: SBEM, 2003. p. 1-20. 1 CD-ROM.

________.(2009). Intuitivo e o Lógico no Conhecimento Matemático: análise de uma proposta pedagógica em relação a abordagens filosóficas atuais e ao contexto educacional da matemática. Revista BOLEMA: Boletim de Educação Matemática. Rio Claro (SP). n.22.n.32, p. 161-188.

MENEGHETTI, R. C. G.; BICUDO, I.(2002). O que a história do desenvolvimento do cálculo pode nos ensinar quanto questionamos o saber matemático, seu ensino e seus fundamentos. Revista Brasileira de História da Matemática: An International Journal on the History of Mathematics. Rio Claro, SP, n. 3, p. 103-117.

________.(2003). Uma discussão sobre a constituição do saber matemático e seus reflexos na educação matemática. Revista BOLEMA: Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, SP, ano 16, n. 19, p. 58-72.

________. (2005). Influências da Filosofia da Matemática na Filosofia da Educação Matemática. Revista Comunicações, ano 12, no 2, Piracicaba. p. 116-132.

MIGUEL, A. A. (1995). Constituição do paradigma do formalismo pedagógico clássico em educação matemática. Revista Zetetiké, Campinas, SP, ano 3, n. 3, p. 7-39.

MIZUKAMI, M. G. N. et al.(2002) Escola e Aprendizagem da Docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EDUFSCar.

PONTE, J. P. (1992). Concepções dos Professores de Matemática e Processos de Formação In: Ponte, J.P. (ed.) Educação matemática: temas de investigação. Lisboa. Instituto de Inovação Educacional, p.185-239.

ROSA, M. V. F. P. C.; ARNOLDI, M. A. G. C. (2006) A entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismo para validação dos resultados. Belo Horizonte: Autêntica.

SILVA, J. J. (1999) Filosofia da matemática e filosofia da educação matemática. In: BICUDO, M. A. V. Pesquisa em educação matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: Editora UNESP, p. 45-58.

SOUZA, A. C. C. (1999). O reencantamento da razão: ou pelos caminhos da teoria histórico-cultural. In: Pesquisa em Educação Matemática: Concepções e Perspectivas - São Paulo, editora UNESP, p. 137-149.

STEINER, H. J.(1987) Philosophical and epistemological aspects of mathematics and their interaction with theory and practice in mathematics education. For the Learning of Mathematics, Quebec, v. 7, n. 1, p.7-13.

THOMPSON, A. G. (1984). The Relationship of Teachers’ Conceptions of Mathematics and Mathematics Teaching to Instructional Practice. Education Studies in Mathematics, Dordrecht, n. 15, p. 105-127.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA