HOMEPAGE: UM MATERIAL EDUCACIONAL DIGITAL NA APRENDIZAGEM DE INGLÊS

Marcus de Souza ARAÚJO, Tatiana S. de MACEDO

Resumo


Este artigo tem como objetivo relatar uma atividade de produção escrita em inglês dos gêneros discursivos apresentação pessoal e homepage no contexto acadêmico. O estudo se desenvolve por meio de referenciais teóricos da perspectiva do material didático (DUDLEY EVANS; ST. JOHN, 1998; GRAVES, 2000; RAMOS, 2009; entre outros), da escrita como processo (BROWN, 2004; DIAS, 2004; FIGUEIREDO, 2005) e de contribuições da tecnologia digital no ensino de línguas (PRENSKY, 2012; ROJO, 2012; entre outros).  A atividade relatada levou em consideração a abordagem da escrita como processo, ou seja, geração e estruturação das ideias, rascunho, avaliação, revisão, correção em pares, edição.  Pensando no compartilhamento das produções escritas dos alunos, o resultado final da atividade foi a criação coletiva de uma homepage para a publicação do gênero apresentação pessoal, além de postagens de vídeos e sugestões de sites e outros links. Os resultados da pesquisa apontam aumento na motivação dos alunos em processo de formação inicial para produzir gêneros escritos a partir das tecnologias digitais. 


Palavras-chave


Material didático; Escrita como processo; Língua Inglesa; Tecnologia digital

Texto completo:

PDF

Referências


BEHAR, P. A. et al. Competências: conceito, elementos e recursos de suporte, mobilização e evolução. In: BEHAR, P. A. (Org.). Competências em educação a distância. Porto Alegre: Penso, 2013.

BRAGA, D. B. Ambientes digitais: reflexões teóricas e práticas. São Paulo, Cortez, 2013.

CELCE-MURCIA, M.; OLSHTAIN, E. Discourse and context in language teaching: a guide for language learners. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

COLL, C.; MAURI, T.; ONRUBIA, J. A incorporação das tecnologias da informação e da comunicação na educação: do projeto técnico-pedagógico às práticas de uso. In: COLL, C.; MONERO, C. (Orgs.). Psicologia na educação virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e da comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DIAS, R. Gêneros digitais e multimodalidade: oportunidades on-line para a escrita e a produção oral em inglês no contexto da educação básica. IN: Dias, R.; DELL´ISOLA, R. L. P. (Orgs.). Gêneros textuais: teoria e prática no ensino em LE. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2012.

DUDLEY-EVANS, T; ST. JOHN, M. J. Developments in ESP: a multi-disciplinary approach. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

FIGUEIREDO, F. J. Q. Semeando a interação: a revisão dialógica de textos escritos em língua estrangeira. Goiânia: UFG, 2005.

___________. A realização de atividades de correção com os pares em aula de língua inglesa no curso de letras: um estudo comparativo de atividades realizadas sem e com apoio de formulários de orientação. In: SILVA, K. A. et al. (Orgs.). A formação de professores de línguas: novos olhares – volume I. Campinas: Pontes, 2011.

FILATRO, A. Design instrucional na prática. São Paulo: Pearson/Prentice Hall, 2008.

GRAVES, K. Designing language courses: a guide for teachers. Boston: Heinle, Cengage Learning, 2000.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus, 2012.

KRESS, G. Multimodality: a social semiotic approach to contemporary communication. New York: Routledge, 2010.

LIEFF, C. D. O ensino da pronúncia do inglês numa abordagem reflexiva. In: CELANI, M.A. A. (Org.). Professores e formadores em mudanças: relato de um processo de reflexão e transformação da prática docente. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

MAGNO E SILVA, W. “Autonomia do aprendizado de LE: é preciso um novo tipo de professor?” In: GIL, G. e VIEIRA-ABRAHÃO, M.H. (Orgs.). Educação de professores de línguas: Os desafios do formador. Campinas: Pontes, 2008.

MORAN, J. M. Ensino-aprendizagem inovadores com apoio de tecnologias. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. (Orgs.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2013.

MOTTA-ROTH, D.; REIS, S. C.; MARSHALL, D. O gênero página pessoal e o ensino de produção textual em inglês. In: ARÁUJO, J. C. (Org.). Internet e ensino: novos gêneros, outros desafios. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

MOTA, R.; SCOTT, D. Educando para inovação e aprendizagem independente. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

PRENSKY, M. Homo sapiens digital: dos imigrantes e nativos digitais à sabedoria digital. In: APARICI, R. (Org.). Conectados no ciberespaço. São Paulo: Paulinas, 2012.

RAMOS, R. C. G. Design de material didático on-line: reflexões. In: SOTO, U. et al. (orgs.). Linguagem, educação e virtualidade: experiências e reflexões. São Paulo: Editora UNESP/Cultura Acadêmica. 2009, p. 93-115.

______. Biodata: desenvolvimento da escrita acadêmica em um curso semipresencial de língua inglesa. In: Dias, R.; DELL´ISOLA, R. L. P. (Orgs.). Gêneros textuais: teoria e prática no ensino em LE. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2012.

SWALES, J. M. Genre analysis: English in academic and research settings. Glasgow: Cambridge University Press, 1990.

TAYLOR, D. Inauthentic authenticity or authentic inauthenticity? TESL-EJ, v. 1, n. 2, p. 1-12, ago. 1994. Disponível em . Acesso em: 05 ago. 2014.

TORREZZAN, C. A. W.; BEHAR, P. A. Competências para a construção de materiais educacionais digitais baseados no design pedagógico. In: BEHAR, P. A. (org.). Competências em educação a distância. Porto Alegre: Penso, 2013.

VAN LIER, L. Interaction in the language curriculum: awareness, autonomy and authenticity. New York: Longman, 1997.

WHITE, R.; ARNDT, V. Process writing. England: Longman, 1991.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2017v38i1a8

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)