VIVENCIANDO INGLÊS COM KAHOOT

Maria Aparecida GAZOTTI-VALLIM, Silvia Trentin GOMES, Cynthia Regina FISCHER

Resumo


Este artigo visa a apresentar duas atividades elaboradas na plataforma digital Kahoot que fazem parte de uma unidade didática para o ensino de inglês como língua estrangeira e analisar seu potencial para o desenvolvimento de aprendizagem significativa, segundo Carl Rogers. Para o autor, esse tipo de aprendizagem parte das necessidades e interesses do aprendiz e deve fazer sentido em sua vida pessoal, mobilizando aspectos emocionais e cognitivos. O Kahoot foi utilizado com o intuito de inserir um recurso tecnológico interativo que se apropria de elementos dos jogos (gamificação) para engajar os usuários na aprendizagem de língua inglesa. Essas atividades foram aplicadas em três aulas de sessenta minutos para duas alunas de dez e quinze anos e objetivaram descrever características físicas e da personalidade de duas pessoas famosas indicadas pelos aprendizes. As atividades fazem parte da unidade didática cujo objetivo é ensinar como descrever pessoas famosas. Percebeu-se que o trabalho proposto foi adequado para o desenvolvimento da aprendizagem significativa.

 


Palavras-chave


Recurso educacional digital. Jogos. Aprendizagem significativa. Ensino-aprendizagem de inglês como língua estrangeira

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, F. Gamefication: como criar experiências de aprendizagem engajadoras. DVS Editora, 2014. Disponível em: < http://www.saraiva.com.br/gamification-como-criar-experiencias-de-aprendizagem-engajadoras-um-guia-completo-8114828.html>. Acesso: 10 jan. 2017.

ARAÚJO, M. Ensino-aprendizagem de jogos digitais na formação inicial do professor de inglês. VI CLAPFL – Congresso Latino-americano de Formação de Professores de Línguas. UEL, Londrina, 25 a 27 out. 2016, mimeo.

ASEAN COMMISSION ON THE PROMOTION AND PROTECTION OF THE RIGHTS OF WOMEN AND CHILDREN; MINISTRY OF SOCIAL DEVELOPMENT AND HUMAN SECURITY; UNITED NATIONS WOMEN. Violence against women throughout the life, 2015. Disponível em: Acesso em: 01 dez. 2016.

BARCELOS, F.A.A. Aprendendo inglês em jogos on-line: um relato sobre nativos digitais. 19f. Trabalho de conclusão de curso (TCC) – Letras, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2010.

BERGMANN, J.; SAMS, A. Flip Your Classroom: reach every student in every class every day. Eugene, Oregon: ISTE, 2012.

BERRETT, D. How 'flipping' the classroom can improve the traditional lecture. The Chronicle of Higher Education, Feb. 19, 2012.

BLANCO, G. 2015. Gamification: como a lógica dos jogos pode te ajudar a resolver problemas. DRAFT. Disponível em:.Acesso em: 06 dez. 2016.

BOTTENTUIT JR., J.B. Do computador aos tablets: vantagens pedagógicas na utilização de dispositivos móveis na educação. Revista EducaOnline – Educomunicação, Educação e Novas Tecnologias, Universidade Federal do Rio de Janeiro – Escola de Comunicação Laboratório de Pesquisa em Tecnologias da Informação e da Comunicação – LATEC/UFRJ , v.6, no.1,p.125-148, jan./abr., 2012. Disponível em: < file:///D:/Documents/artigos/do_computador_ao_tablet.pdf> Acesso em: 15 nov. 2016.

BRASIL. 2009. Ministério da Educação (MEC). Proinfo integrado. Disponível em:. Acesso em: 15 nov. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria no. 1.322. Brasília, 6 de novembro de 2012.

BRASIL. Ministério da Comunicação. Projeto Banda Larga nas Escolas. Brasília. Decreto nº 6.424, de 04 de abril de 2008.

BRASIL. Presidência da República - Casa Civil. Decreto nº 5.542, de 20 de setembro de 2005. Institui o Projeto Cidadão Conectado - Computador para Todos, no âmbito do Programa de Inclusão Digital, e doutras á providências. Disponível em < http://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/DEC 5.542-2005?OpenDocument> . Acesso em: 15 nov. 2016.

BRASIL. 1997. Ministério da Educação e do Desporto. Portaria no. 522, de 9 de abril de 1997. Brasília. Disponível em: < https://www.fnde.gov.br/fndelegis/action/UrlPublicasAction.php?acao=abrirAtoPublico&sgl_tipo=POR&num_ato=00000522&seq_ato=000&vlr_ano=1997&sgl_orgao=MED>. Acesso em: 15 nov. 2016.

CASTLE, S. How to use Kahoot! to teach new topics - blind kahoot!ing. Disponível em:.Acesso em: 01 dez. 2016.

COSTIKYAN, G. I have no words & I must design. Interactive Fantasy, 2. Disponível em:. Acesso em: 05 jul. 2017.

DETERDING, S.; SICART, M.; NACKE, L.; OʼHARA, K.; DIXON, D. Gamification: using game-design elements in non-gaming contexts. Proceedings of the CHI '11 Extended Abstracts on Human Factors in Computing Systems, 2011, pages 2425-2428. Disponível em . Acesso em: 15 nov. 2016.

FLANAGAN, M. Critical play: radical game design. Cambridge: MIT Press, 2009.

FUNDAÇÃO TELEFÓNICA VIVO. Juventude conectada 2. São Paulo: Fundação Telefónica Vivo, 2016.

GEDIGAMES. Relatório final: mapeamento da indústria brasileira e global de jogos digitais. Núcleo de Política e Gestão Tecnológica: PGT – Conhecimento, Inovação, Desenvolvimento, USP, fev. 2014. Disponível em: < http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/seminario/seminario_mapeamento_industria_games042014_Relatorio_Final.pdf> Acesso em: 01 dez. 2016.

GEE, James Paul. 2009. Bons Videogames e Boa Aprendizagem. Perspectiva, Florianópolis, v. 27, n. 1, 167-178, jan./jun. 2009. Disponível em: Acesso em: 06/2014.

HEINCH, R., MOLENDA, M., RUSSELL, J., AND SMALDINO, S. Instructional Media and Technologies for learning. 7 ed. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, Inc., 2002.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 7.ed. São Paulo: Perspectiva, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa nacional por amostra de domicílios, 2009. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2009>. Acesso em: 16 nov. 2016.

KAPP, K. The gamification of learning and instruction: game-based methods and strategies for training and education. Pfeiffer, 2012.

MALONE, Th. W. What makes things fun to learn? A study of intrinsically motivating computer games. 1980. Tese de doutorado, Stanford University, 1980.

OLIVEIRA, J. A. de; OLIVEIRA, C.C. Gêneros de jogos digitais e aprendizagem de inglês: vislumbrando uma relação. Anais do 3º Encontro de Pesquisa e Extensão. Patrocínio, 2016. Disponível em: Acesso em: 26 jan. 2016.

PETRY, A. dos Santos. Jogo, autoria e conhecimento: fundamentos para uma compreensão dos games. São Paulo: Editora Paco Editorial, 2014.

______. O jogo como condição da autoria e da produção de conhecimento: análise e produção em linguagem hipermídia. 2010. Tese de Doutorado em Comunicação e Semiótica - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2010.

PRENSKY, M. Não me atrapalhe, mãe: eu estou aprendendo! São Paulo: Phorte, 2010.

ROGERS, C. Freedom to learn: a view of what education might become. Columbus, OH, Charles E. Merrill, 1969.

SANTAELLA, L. O papel do lúdico na aprendizagem. Revista Teias, vol.13, n. 30, p. 185-195, 2012. Disponível em: http://www.periodicos.proped.pro.br/index.php/revistateias/article/viewFile/1371/978 Acesso em: 16 jan. 2017.

SANTAELLA, L.; FEITOZA, M. (orgs.). Mapa do jogo: a diversidade cultural dos games. São Paulo. Editora Cengane Learning, 2009.

SANTOS, S. M. P. Educação, arte e jogo. Petrópolis. Editora Vozes, 2006.

SILVEIRA, L. S. de. Ensino e aprendizagem de língua inglesa e recursos tecnológicos: um estudo sobre os processos de retroação e irreversibilidade. Domínios de Linguagem. vol. 6. n. 2, p.19-40, 2012. Disponível em: < http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/18271> . Acesso em: 26 jan. 2017.

TED Ideas worth spreading. How TED works. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2017.

UNITED NATIONS WOMEN. Ending violence against women and girls: if not you, who? 2016. Disponível em: Acesso em: 01 dez. 2016.

WERBACH, K.; HUNTER, D. For the win: how game thinking can revolutionize your business. Filadélfia, Pensilvânia: Wharton Digital Press, 2012.

WOLYNEC, E. Aprendizagem móvel em escolas e universidades. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2016.

ZIMMERMAN, E. Narrative, interactivity, play, and games: four naughty concepts in need of discipline. In: WARDRIP-FRUIN, N; HARRIGAN, P. (Eds.). First person. Cambridge: MIT Press, 2004.




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2017v38i1a11

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)