FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA: O GLOCAL EM ARTICULAÇÕES ENTRE UNIVERSIDADE E ESCOLAS

Rosinda Castro Guerra Ramos, Sueli Salles Fidalgo, Terezinha Maria Sprenger

Resumo


No presente artigo, visamos a ilustrar como uma proposta de formação de professores busca integrar o conhecimento local globalizado e o conhecimento global localizado, conceito a que Kumaravadivelu(2006) se refere como glocal.  Assim, centradas nesse objetivo, descrevemos o curso integrado de Licenciatura em Português-Inglês da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), enfocando especificamente a formação de professores de inglês, área em que atuamos. Primeiramente, fazemos uma exposição geral do curso em foco e de seus princípios teóricos que o alicerçam.  A seguir, apresentamos as disciplinas específicas de língua e literaturas de língua inglesa para então destacarmos as que tratam especificamente da formação de professores de inglês.  Finalmente analisamos excertos de relatórios de estágio para verificar o que revelam sobre a articulação entre o local e global. 


Palavras-chave


Formação inicial; Professores de inglês; Conhecimento glocal; Estágio supervisionado; Parceria universidade e escola

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8 ed. Coleção questões

da nossa época. São Paulo: Cortez, 2011.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 4ª. ed. São

Paulo: Martins Fontes, 1953/2003.

BAZERMAN, C.; BONINI, A.; FIGUEIREDO, D. (Orgs.) Genre in a changing

world (Perspective on writing). Fort Collins, Colorado: The WAC Clearinghouse and Parlor Press, 2009.

BRASIL, MEC. Parâmetros Curriculares |Nacionais: Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Linguagens,

códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC, 2000.

BRASIL, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN+ ensino médio:

orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC, SEMTEC, 2002.

BRASIL. MEC. Orientações curriculares para o ensino médio. Volume 1: Linguagem, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC, 2006.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Terceira versão.

Brasília: MEC, 2017.

CANAGARAJAH, A.S. Resisting linguistic imperialism in English teaching. Oxford: Oxford University Press. 1999.

_____________. Reconstructing local knowledge, reconfiguring language studies. In: CANAGARAJAH, S. (Org.). Reclaiming the local in language policy and practice. Mawhaw, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Publishers, 2005.

CELANI, M.A.A. Um desafio na linguística aplicada contemporânea: a construção de

saberes locais. D.E.L.T.A., vol.32, no 2, p. 543-555, 2016.

_____________. Culturas de aprendizagem: risco, incerteza e educação. In:

DUDENEY, G. ; HOCKLY, N. ICT in ELT: how did we get here and where are we

going? ELT Journal, vol. 66, no 4, p. 533-542, 2012. Disponível em https://doi.org/10.1093/elt/ccs050. Acesso em 8 fev de 2018.

ELLIS, N.C.; LARSEN-FREEMAN, D. (Orgs.) Language as a Complex Adaptive System. Language Learning, n. 59, Sup. 1, Dezembro 2009.

FLORES, J. F. F. Using gamification to enhance second language learning. Digital Education Review, no 27, Junho 2015. Disponível em http://greav.ub.edu/der/. Acesso em 08 fev. 2018.

GIROUX, H.A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed. 1997.

KUMARAVADIVELU, B. A linguística aplicada na era da globalização. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

MARTIN. J. R. Language, register and genre. In CHRISTIE, F. (Org.) Children

Writing: A Reader. Vic.: Deakin University Press, p. 21-29, 1984.

PIMENTA, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, S.G.;

GHEDIN, E. (orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. . 2ª ed.São Paulo: Cortez, 2002, p.17-52.

SÃO PAULO. Secretaria de Educação. Currículo do estado de São Paulo. Linguagens,

códigos e suas tecnologias. São Paulo: Secretaria de Educação. 2ª. ed. 2011.

SCHÖN, D. The reflective practitioner: how professionals think in action. U.S.A.: Basic Books, Inc., 1983.

_____________. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a

aprendizagem. Trad. Roberto Cataldo Costa, Porto Alegre: Artes Médicas Sul,

/ 2000.

SIEMMENS, G. Connectivism: A learning theory for the digital age. International Journal of Instructional Technology and Distance Learning, vol. 2. no , p.3-10, 2005.

TOMLINSON, B. ;WHITTAKER, C. (Orgs.) Blended learning in English language

teaching: Course design and implementation. London: British Council, 2013.

ZEICHNER, K.M. & LISTON, D. P. Teaching student teachers to reflect. Harvard




DOI: https://doi.org/10.23925/2318-7115.2018v39i1a9

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)