Books vs. Journal Articles: a Diachronic Study of Referencing in Written Medical English Prose (1810-1995)

Françoise Salager–Meyer

Resumo


O objetivo do presente trabalho é examinar a evolução diacrônica qualitativa e quantitativa das referências feitas a livros e artigos publicados em revistas e sua origem lingüística, abrangendo um período de 185 anos. Analisamos um corpus de 162 artigos médicos publicados em 34 diferentes revistas britânicas e americanas entre 1810 e 1995. Os resultados obtidos foram agrupados em quatro blocos distintos, de acordo com o ano de publicação, identificados em estudo anterior (Salager-Meyer, 1996a). As comparações entre os blocos foram realizadas através de testes de chi-quadrado. Os resultados globais apontam que: a) fontes escritas em inglês (I) foram mais freqüentemente citadas do que fontes escritas em outras línguas (NI); b) artigos de revistas também foram referidos mais freqüentemente do que livros; e c) revistas I foram citadas mais freqüentemente do que revistas NI. As diferenças qualitativas e quantitativas apontadas por nossos dados são analisadas e discutidas com base em uma perspectiva socioconstrutivista. A evolução diacrônica verificada no período de 185 anos estudado é um reflexo de como o nascimento e crescimento de especialidades e subespecialidades médicas têm influenciado o comportamento de se fazer referências, bem como o papel que as revistas e livros têm exercido como fontes de conhecimento através dos tempos.

Palavras-chave


referências; fontes; livros; artigos de revistas científicas

Texto completo:

PDF (English)

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexicadores

Apoio

A Revista The Especialist e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Lincença Creative Commons: Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)