A mágica de verdade de Gustavo Bernardo

Raquel Cristina de Souza e Souza

Resumo


A principal característica da sociedade pós-moderna é a convivência do homem com a ilusão produzida pela tecnologia. A imagem se tornou a principal mediadora das relações do
indivíduo com o real circundante. No âmbito literário, esse fato tem provocado o acirramento do questionamento sobre os limites entre o real e sua representação, já que agora, mais do que nunca, estão borradas na própria realidade empírica as fronteiras entre o falso e o verdadeiro. Frente a esse
novo contexto (do qual não está excluída a produção voltada para crianças e jovens), a literatura tem respondido principalmente de duas maneiras: por meio da reafirmação de seu estatuto de ficção e pela incorporação da imagem midiática como técnica narrativa. É esse o caso de O mágico de
verdade (2006), de Gustavo Bernardo – exemplo significativo de como a literatura tem reagido esteticamente às mudanças sociais. Ao cotejarmos o texto ficcional em questão com as formulações teóricas do autor, é possível percebermos que, ao se apresentar como uma alegoria que problematiza o sequestro do imaginário pelos simulacros midiáticos, a obra acaba se revelando uma verdadeira
teoria da ficção para jovens.

Palavras-chave


Ficção; teoria da ficção; simulacro; público jovem.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: