Ruy Belo: harmonia de forças opostas

Sofia de Sousa Silva

Resumo


A obra de Ruy Belo, poeta português que começa a publicar em 1961, é exemplar no que dizrespeito a uma recuperação e uma canonização do modernismo que a década de 1960 levaria acabo. O volume de ensaios Na senda da poesia (de 1969), os diversos prefácios que acrescenta a seus livros, e uma teoria que se lê nos seus versos parecem empreender uma reflexão sobre a poesia que não é pautada por certas oposições binárias como fingimento (Fernando Pessoa) e testemunho (Jorge de Sena) ou liberdade e engajamento. A partir da leitura de um poema de Ruy Belo, O portugal futuro, de Homem de palavras(s), pretende-se investigar de que modo se reúnem essas forças opostas na sua obra.

Palavras-chave


Papel da poesia; Modernismo; Anos 1960; Ruy Belo

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: