Significados produzidos por professoras de matemática: a influência da organização do currículo prescrito
Meanings of mathematics teachers: influence of prescribed curriculum organization

Júlio César Gomes de Oliveira, Marcio Antonio da Silva

Resumo


Este artigo apresenta resultados de uma pesquisa de mestrado concluída. Pretendemos analisar como a organização curricular influencia a produção de significados que professoras de matemática do ensino médio atribuem a uma proposta desenvolvida à luz da Educação Matemática Crítica (EMC), ao se engajarem no desenvolvimento, aplicação e avaliação de uma Trajetória Hipotética de Aprendizagem (THA) de medidas estatísticas. Trata-se de um estudo de cunho estritamente qualitativo. A partir do material empírico, inferimos que as professoras atribuíram alguns significados para a proposta desenvolvida: uma atividade estranha, que incomoda, que gera angústia, que estressa e que necessita de vários conhecimentos para ser realizada. A demanda da organização curricular, assim como a formação docente, é tomada como importante fator na atribuição destes significados.


This article presents some of the results from one master's thesis. We intend to analyze how the curricular organization influences production of meanings that high school math teachers attribute in a proposal based in the critical mathematics education (CME). Teachers engaged in the development, implementation and evaluation of a hypothetical trajectory learning (HTL) of statistical measures. This is a strictly qualitative nature study. From the empirical material, we infer that the teachers gave some meanings to the developed proposal: a strange activity, that bothers, that generates anxiety, which stresses, that needs a lot of knowledge to be accomplished. The demand of the curricular organization, as well as teacher training, is taken as important factor in the attribution of these meanings.


Palavras-chave


Educação Matemática Crítica; Proposta de ensino; Medidas estatísticas

Texto completo:

PDF

Referências


ESCOSTEGUY, A. C. D. Cartografias dos estudos culturais: Uma versão latino-americana. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções de nosso tempo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 15-46, jul./dez. 1997a.

_______. The work of representation. In: HALL, S. A (Org.). Representation: cultural representations and signifying practices. London/Thousand Oaks/New Delhi: Sage/Open University, 1997b.

MATO GROSSO DO SUL. Referencial Curricular do Ensino Médio da Rede Estadual de Ensino. Secretaria de Estado de Educação. Superintendência de Políticas de Educação. Campo Grande: SED, 2012.

OLIVEIRA, J. C. G. Currículos de matemática no ensino médio: significados que professores atribuem a uma Trajetória Hipotética de Aprendizagem desenvolvida à luz da Educação Matemática Crítica. 2015. 214f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2015.

POWELL, A. B.; FRANCISCO, J. M.; MAHER, C. A. Uma abordagem à Análise de Dados de Vídeo para Investigar o Desenvolvimento de Ideias e Raciocínios Matemáticos de Estudantes. Bolema, Rio Claro. Ano 17, n. 21, p. 81-140, 2004.

RIBEIRO, J. Matemática: ciência, linguagem e tecnologia, 3: ensino médio. São Paulo: Scipione, 2010.

SILVA, M. A. Considerações sobre o bloco tratamento da informação nos currículos de Matemática: refletindo sobre a seleção e a organização de conteúdos. In: COUTINHO, Cileda de Queiroz Silva (Org.). Discussões sobre o ensino e a aprendizagem da probabilidade e da estatística na escola básica. 1.ed. Campinas: Mercado de Letras, 2013, p. 39-57.

_______. Práticas sociais híbridas: contribuições para os estudos curriculares em Educação Matemática. Horizontes (EDUSF), v. 30, p. 95-102, 2012.

SIMON, M. A. Reconstructing mathmatics pedagogy from a construtive perspective. Journal for Research in Mathmatics Education, v. 26, n. 2, p. 114-145, 1995.

SKOVSMOSE, O. Educação Matemática Crítica: A questão da democracia. Campinas: Papirus, 2001.

______. Educação Crítica: Incerteza, Matemática e Responsabilidade. São Paulo: Cortez, 2007.

_______. Desafios da educação matemática crítica. São Paulo: Papirus, 2008.

SMOLE, Kátia Cristina Stocco; DINIZ, Maria Ignez de Souza Vieira. Matemática: ensino médio: volume 2. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.23925/1983-3156.2018v20i1p471-495

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM