Children creating ways to represent changing situations: on the development of homogeneous spaces.

Ricardo Nemirovsky, Cornelia Tierney

Resumo


Este artigo investiga crianças criando representações para situações que mudam com o tempo. Articulamos a distinção entre espaços homogêneos e heterogêneos e refletimos sobre a tendência que as crianças têm de criar espaços híbridos entre os mesmos. Usando exemplos de sala de aula e de entrevistas, discutimos duas famílias de tarefas que parecem facilitar o desenvolvimento de espaços homogêneos: 1) tornar características selecionadas
diretamente visíveis, ao invés de serem necessários cálculos e passos intermediários; por exemplo, ser capaz de comparar diretamente diferentes conjuntos de dados combinados em um único gráfico, e 2) explorar componentes imagéticos bem definidos, que podem ser usados para traçar gráficos, tais como segmentos de reta ou seqüenciamento da esquerda para a direita, que são introduzidos como recurso.

Abstract
This paper focuses on children creating representations on paper for situations that change over time. We articulate the distinction between homogeneous and heterogeneous spaces and reflect on children’s tendency to create hybrids between them. Through classroom and interview examples we discuss two families of tasks that seem to facilitate children’s development of homogeneous spaces: 1) making selected features directly visible, instead of requiring intermediate steps and calculations; for example, to be able to directly compare different sets of data combined in a single graph, and 2) exploring well-defined figural components that can be used in graphing, such as line segments or sequencing from left to right, that are introduced as a resource.

Key-words: Situations; change over time; graph; hybrids; heterogeneous; homogeneous spaces.

Palavras-chave


Situações; variações no tempo; gráfico; espaços homogêneo, heterogêneo; híbrido.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA