“Bandido bom é bandido morto”: violência policial, tortura e execuções em Tropa de Elite

Simone Maria Rocha, Ângela Salgueiro Marque

Resumo


O propósito deste artigo é investigar como os filmes brasileiros usam representações da violência e da opressão simbólica para mostrar o abuso da força policial em ações de combate contra o crime nas favelas brasileiras. Analisaremos um filme recente, Tropa de Elite (2007), no qual métodos de tortura são usados para obtenção de confissões e execuções a sangue frio são feitas sem nenhum julgamento, corroborando a máxima segundo a qual “bandido bom é bandido morto”. A violação dos direitos humanos será discutida enfocando-se a questão de como os policiais lidam com os cidadãos pobres e marginalizados trazendo à tona o fato de que cidadania no Brasil é um tema que deve ser tratado como uma questão de direitos humanos, mas também, como de reconhecimento social. Metodologicamente, nossa análise está baseada na “crítica diagnóstica da cultura” (Kellner, 2001) que enfatiza duas dimensões: i) o horizonte social do filme; e ii) seu campo discursivo (análise da mensagem e de outros recursos visuais e expressivos).

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM