O campo religioso a partir do neopragmatismo de Rorty

Marcelo Martins Barreira

Resumo


O artigo objetiva mostrar uma possível contribuição do pensamento de Rorty ao debate acerca da relevância do religioso numa sociedade democrática. Em especial a partir de um artigo na obra “O Futuro da Religião” e de outros dois artigos em “A Filosofia como Política Cultural”, procuramos mostrar como nosso autor retoma a tradição pragmática americana para superar a ênfase epistemológica no tocante ao religioso e focar na capacidade conversacional humana. Nesse nível humano – não em Deus ou na Razão – é que se tematiza o conceito de “existência” e, por sua vez, torna-se relevante uma conversa sobre a “existência de Deus”. Diferenciando-se da distinção kantiana entre o cognitivo e o não cognitivo, Rorty preconiza ser mais útil uma outra distinção para um contexto democrático liberal, em que se situa: a que se dá entre as esferas pública e a privada. Num segundo momento do artigo, como consequência da tematização anterior, é exposta sinteticamente a sua proposta de cinco teses em defesa de uma filosofia pragmática do religioso.

Palavras-chave


Neopragmatismo; Democracia; Religião; Rorty; Política Cultural

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.