A NOOSFERA COMO ARQUIVO DE CULTURA: O REPASSE CULTURAL ANALÓGICO COEXISTINDO COM A LÓGICA DIGITAL NA COMUNICAÇÃO

André Luis Nakamura

Resumo


Este artigo versa sobre a noosfera, arquivo imaterial de cultura, e a informática como potencial transformadora na lógica desse sistema. A comunicação interpessoal opera como fio condutor na formação do ambiente de cultura constituído e constituinte de imagens endógenas e exógenas imbricadas ao pensamento linear e/ou analógico. Observa-se na linguagem interna, interpessoal, escrita ou inscrita um recurso estruturante ao pensamento, sociedade e cultura oferecendo sentido aos vínculos. Os produtos imaginativos desse sistema habitariam a noosfera constituindo um arquivo imaterial da humanidade, e estando presentes tanto na intencionalidade universal quanto em um de seus corolários: a comunicação digital em rede. Infere-se que a informática ao derivar do pensamento analógico eclode como potencialidade de uma noosfera precedente à lógica binária, ou hierarquicamente dependente. Indaga-se sobre as inerentes transformações desse sistema e dos vínculos quando um de seus elementos adota relativa autonomia na produção de sentidos, rompendo os limites entre o limiar e seu procedente. A crítica recai sobre a desconstrução de um sistema ancestral – a noosfera pelo pensamento analógico -, em prol de sínteses informatizadas que se constituem mais eficazes na mediação comunicacional.

 


Palavras-chave


Noosfera; Comunicação; Informatização; Transformação; Vínculos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, Louis. Aparelhos Ideológicos do estado. Nota sobre os aparelhos ideológicos do Estado, Gaal, 1983.

BAITELLO Jr., Norval. A era da iconofagia: ensaios de comunicação e cultura. Hacker Editores, 2005.

______________. A era da Iconofagia. Hacker Editores, 2006.

______________. A Mídia antes da máquina. JB Online, Caderno idéias, 1999.

______________. O animal que parou os relógios. Editora Annablume, 2009.

BARBERO, Jesus Martín. Dos meios as mediações: Comunicação cultura e hegemonia. Editora UFRJ, 2009.

BARBROOK, Richard. Futuros imaginários: das máquinas pensantes à aldeia global. Editora Peirópolis, 2009.

BAUDRILLARD, Jean. Simulação e Simulacro. Editora Relógio d’agua, 1981.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2003.

BENJAMIN, Walter. A Obra de Arte na Era de sua Reprodutividade Técnica. Brasiliense, 1994.

_______________. Documentos de Cultura, Documentos de Barbárie. Editora Cultrix, 1986.

_______________. Magia e Técnica, Arte e Política: Ensaios sobre literatura e história da cultura. Editora Brasiliense, 1996.

CAZELOTO, Edilson. Inclusão Digital e a reprodução do capitalismo contemporâneo. PUC, 2007 (tese de doutorado).

CHARDIN, Teilhard de. O Fenômeno Humano. Editora Cultrix, 1995.

DEBORD, Guy. A Sociedade do Espetáculo. Ebooksbrasil, 2003.

DURKHEIM, Émile. A divisão do Trabalho Social. Martins Fontes, 2008.

ELIAS, Norbert. A Sociedade dos Indivíduos. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1994.

_______________. O Processo Civilizatório. Uma história dos costumes, Jorge Zahar Editor, 1990.

FLUSSER, Vilém. A Escrita: Há futuro para a escrita? Editora Annablume, 2010.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e Identidade. Jorge Zahar, Editor, 2002.

________________. Modernização Reflexiva. Política, tradição e estética na ordem social moderna. Editora Unesp, 2012.

KUMMAR, Krishan. Da Sociedade pós-industrial à pós-moderna. Novas teorias sobre o mundo contemporâneo. Jorge Zahar Editor, 2006.

LYOTARD, Jean François. A Condição pós-moderna. José Olympio Editora, 2013.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos. O declínio do individualismo nas sociedades de massa. Forense Universitária, 2006.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo, Cosac Naify, 2003.

MARX, Karl. O Capital – Conrad do Brasil, 2003.

______________. O Capital: crítica da Economia Política. Editora Nova Cultural Ltda, 1996.

MORIN, Edgar. Cabeça bem feita. Repensar a forma /reformar o pensamento. Bertrand Brasil, 1999.

______________.O método. A natureza na Natureza. Publicações Europa-América, 1977.

PINTO, Álvaro Vieira. O Conceito de Tecnologia. Contraponto Editora Ltda.,2005.

POULANTZAS, Nicos. As Classes Sociais no Capitalismo de Hoje. Zahar editores, 1975.

SIMMEL, Georg. Sociologia. São Paulo, Ática, 1983.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Editora Vozes, 2010.

TRIVINHO, Eugênio. Dromocracia cibercultural. Editora Paulus, 2007.

______________. Glocal. Visibilidade mediática, imaginário bunker e existência em tempo real.

WIENER, Norbert. Cibernética e Sociedade. O uso humano dos sêres humanos, Editora Cultrix, 1968.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.