IN MEMORIAM: RÁDIO: MÍDIA E LINGUAGEM

Cármen Lúcia José

Resumo


O Rádio foi identificando seus constituintes para se estabelecer como linguagem a partir da apropriação de elementos que pertenciam aos códigos matrizes, principalmente, o sonoro e o verbal-oral. Além disso, o rádio também é uma mídia de convergência porque muitas composições textuais anteriormente produzidos em diferentes suportes foram deslocadas para o meio radiofônico, testando-se de acordo com a natureza da nova mídia; em fronteira, como afirma Iúri Lótman. O foco principal desse capítulo é a linguagem radiofônica, seus constituintes e suas modelizações; suas nomenclaturas e estruturas de composição, pontuados ora como decorrentes da movência no interior da semiosfera ora já estabelecidos como fórmulas, decorrentes do eixo de delimitação, atuando como eixo da dinâmica da cultura, ainda segundo Iúri Lótman.

Palavras-chave


Linguagem Radiofônica; Nomenclaturas Radiofônicas; Estruturas de Composição Radiofônicas.

Texto completo:

PDF

Referências


BALSEBRE, Armand. El lenguaje radiofônico.2a Ed. Madrid: Ediciones átedra,

BERCHMANS, Toni. A música do filme: tudo que você gostaria de sber sobre a música de cinema. São Paulo: Escrituras Editora, 2006.

CARVALHO, Márcia. CUNHA, Newton. Dicionário SESC: a linguagem da cultura. São Paulo: Perspectiva : Sesc São Paulo, 2003.

MACHADO, Regina. A voz na canção popular brasileira – um estudo sobre a

vanguarda paulista. Cotia, São Paulo: Ateliê Editorial, 2011

SANTAELLA, Lucia. SEKEFF, Maria de Lourdes. Da Música: seus usos e recursos. 2a Ed. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

ZUMTHOR, Paul. A Letra e a Voz. São Paulo: Companhia das Letras. 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.