IN MEMORIAM: TRILHA DO FILME PUBLICITÁRIO

Cármen Lúcia José, Solange Maria Bigal

Resumo


Nos últimos 15 anos, a trilha sonora passou a ocupar um lugar de destaque nas linguagens audiovisuais. As novas tecnologias e, consequentemente, os novos diálogos metalinguísticos entre imagem e som criaram, de um lado, outros usos para a fragmentação das canções, tornadas trilha; de outro, passaram a destacar o novo desenho cultural do público consumidor médio brasileiro que, além de ser o foco potencial das Marcas, é também consumidor de informação, isto é, usuário de linguagens. Nossa expectativa é compreender o uso da canção, especificamente, como trilha sonora do filme publicitário: como a canção tornada trilha é reutilizada na associação com a Marca e o que a seleção de canções aponta quanto ao público-alvo em se tratando de repertório cultural. No emprego da canção como trilha, a importância que o áudio vem conquistando é produto, principalmente, da autonomia e da proeminência informacional que a trilha tem adquirido em relação à visualidade em movimento. No Brasil, com a política de promoção econômica de pessoas da classe C / D para a posição de consumidor médio, é possível verificar tanto a presença de outros gêneros musicais mais populares e/ ou periféricos no rol da canção para compor a programação musical das emissoras de rádio e o Cds das canções que compõem as trilhas das telenovelas.


Palavras-chave


Canção de Massa; Canção das Mídias; Ressemantização; Trilha do Filme Publicitário.

Texto completo:

PDF

Referências


BERCHMANS, T.(2006) A Música do Filme. São Paulo: Escrituras.

BIGAL, S. (1999) O que é criação publicitária. São Paulo: Nobel.

JAKOBSON, R. (1974) Linguística e Comunicação. São Paulo: Cultrix.

PEIRCE, C. S. (1999) Semiótica e Filosofia. São Paulo: Cultrix.

PALMIER, J. M. (1977) Lacan. São Paulo: Melhoramentos.

PIGNATARI, D. (1974) Semiótica e Literatura. São Paulo: Cortez e Moraes.

SHUKER, R. (1999) Vocabulário de Música Pop. São Paulo: Hedra.

TALIT, L. (1994) Semiótica da Canção. melodia e letra. SP: Editora Escuta.

VALENTE, H. D. (2003) As vozes da canção na mídia. São Paulo: Via Lettera

SITES

MNEMOCINE. Disponível em: http://www.mnemocine.com.br/index.php/2017-03-19-18-18-46/trilha-sonora-no-cinema/162-trilha-sonora.

WIKIPÉDIA. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Banda_sonora#cite_note-5.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.