Filmes sobre a ditadura como arquivos especiais do trauma Batismo de sangue como filme-arquivo

Maria Luiza Rodrigues Souza

Resumo


Filmes sobre o período ditatorial podem ser lidos como tendo umaestrutura arquivante especial, ligada à produção imagética massiva,de memórias e discursos acerca da ditadura; são peças artísticasrelacionadas a uma imaginação sobre a nação. As escolhas feitas,o que e como filmar fazem do roteiro, da direção e da produção dosfilmes tipos especiais de “arquivistas”. Proponho tratar os filmes quetêm como tema o passado ditatorial como filmes-arquivo, materialque, por organizar e conter itens do passado, é voltado ao presentee, assim, pode “pôr em questão a chegada do futuro”. A indagaçãoque esta noção de arquivo propicia é política. Para tanto, destacoquestionamentos possíveis a partir do filme brasileiro Batismo desangue (Helvécio Hatton, 2007).

Palavras-chave


cinema; ditadura; filmes-arquivo

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Ponto-e-Vírgula está indexada em:

     

  

ISSN 1982-4807

A revista Ponto-e-Vírgula e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/pontoevirgula. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/pontoevirgula.