Uma outra urbanidade (a propósito de flores raras)

Silvana Tótora, Ana Godoy

Resumo


Dos muitos viéses por meio dos quais se poderia problematizar a relaçãoentre modos de subjetivação e cidade gostaríamos de privilegiar aquele que,pondo em questão os dispositivos educacionais como prática integradora enormalizadora, abre para procedimentos micropolíticos que nos permitiriamenfrentar as mediações impostas pela modelização do espaço urbano,pelas relações nela implicadas e pela discursividade que a desdobra,em proveito de um ethos afirmativo da possibilidade de sentir, fazer epensar diferentemente, em que corpo, cidade e educação se articulam emsubjetividades insurgentes. O movimento teórico-experimental explicita-seno entendimento de que a urbanidade exprime o liame fundamental entreterritórios existenciais e subjetividades parciais tal qual Félix Guattari asconcebe, pondo em jogo uma educação que se deixa contaminar pelosprocessos aleatórios e divergentes da cidade contemporânea.

Palavras-chave


corpo, cidade, educação, subjetividade, sociedade de controle

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Ponto-e-Vírgula está indexada em:

     

  

ISSN 1982-4807

A revista Ponto-e-Vírgula e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/pontoevirgula. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/pontoevirgula.