O Poder Jovem de Arthur José Poerner: tipos e mitos na construção da memória estudantil

Thiago B. Castro

Resumo


Este artigo trata do livro O Poder Jovem a partir da interpretação de que há nela a construção de um arquétipo da figura do jovem estudante que resulta de um processo de tipificação e mitificação. Na análise da obra é possível verificar as bases de uma memória social dos, anos 1960, na qual Arthur Poerner se tornou referência ao narrar a história do movimento estudantil brasileiro. À esta memória foi atribuída uma função de endossar o saudosismo sobre a resistência estudantil durante o período de regime militar, sendo inclusive recuperada na reorganização da UNE na reabertura política do Brasil. Assim, Poerner e seu livro encerram representações intelectuais que não debateram a atuação juvenil e estudantil à luz das teorias sociológicas e históricas, dando margem às explicações típicas e míticas.

Palavras-chave


Arthur Poerner; Poder Jovem; Movimento Estudatil; Representações Intelectuais

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Ponto-e-Vírgula está indexada em:

     

  

ISSN 1982-4807

A revista Ponto-e-Vírgula e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/pontoevirgula. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/pontoevirgula.