Pós-colonialismo e feminismo decolonial: caminhos para uma compreensão anti-essencialista do mundo

Gabriel de Sena Jardim, Claudio São Thiago Cavas

Resumo


O imperialismo e as práticas coloniais monopolizaram todo um sistema de representações, configurando estruturas ideológicas pautadas por uma suposta essência ou natureza, especialmente atribuída às mulheres e à população negra, justificando a opressão e a dominação de gênero e raça. O presente artigo analisa alguns caminhos teóricos para uma compreensão anti-essencialista do mundo: no quadro dos estudos pós-coloniais, a revisão de alguns conceitos propõe uma leitura crítica sobre a continuidade das relações coloniais de dominação e opressão evidenciando a dupla colonização das mulheres. O feminismo decolonial indica um outro caminho possível propondo analisar a opressão de gênero e raça a partir de uma epistemologia de fronteira. Os resultados indicam uma compreensão histórico-sociológica sobre a colonialidade e suas repercussões na contemporaneidade.

Palavras-chave


Pós-colonialismo; Feminismo Decolonial; Epistemologia de Fronteira

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1982-4807.2017i22p73-91

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Ponto-e-Vírgula está indexada em:

     

  

ISSN 1982-4807

A revista Ponto-e-Vírgula e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/pontoevirgula. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/pontoevirgula.