Da Psicologia do Attachment à visão neurocientífica proposta por Lee A. Kirkpatrick sobre a religiosidade humana

Edênio Valle

Resumo


Lee A. Kirkpatrick é um dos nomes de maior destaque na Psicologia da Religião na atualidade. Sua importância como pesquisador e teórico se consolidou graças aos seus trabalhos empíricos sobre a Teoria do Apego (Attachment Theory), originalmente proposta por John Bowlby e Mary Ainsworth. Como esses dois pesquisadores, também Kirkpatrick sofreu a influência da Etologia neoevolucionista de Konrad Lorenz e dos acesos debates que se travaram na Psicanálise britânica do pós-guerra a respeito das relações do bebê com sua a mãe na fase em que a sua sobrevivência física e psicológica depende totalmente de quem dele cuida. O mérito principal de Kirkpatrick ao entrar nessa discussão foi o de aplicar com rigor a Teoria do Apego à religiosidade e a outros semelhantes estados anímicos experimentados não só pelo neonato. Em seus trabalhos há dois momentos distintos e complementares. No primeiro deles, o objeto de sua atenção se concentrou mais na relação de apego propriamente dita. Mais tarde, paralelamente ao grande avanço das Bio e Neurociências e da Psicologia Evolucionária, ele passou a dar ênfase aos processos e mecanismos neurofisiológicos e psicológicos que subjazem às reações psicocomportamentais da criança. Essa progressiva e coerente mudança de enfoque fez de Kirkpatrick um renomado pesquisador da Psicologia da Religião. O artigo apresenta ao leitor/a os dois estágios percorridos por ele em seu itinerário como estudioso da área da Psicologia da Religião.

Palavras-chave


Lee Kirkpatrick; Nova Teoria do Apego; Psicologia Evolucionária; Neurociências; Psicologia da Religião

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1677-1222.2017vol17i1a3

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 REVER - Revista de Estudos da Religião - ISSN 1677-1222