Fatos estilizados dos fundos de Private Equity no Brasil

João Eduardo Ribeiro, Claudia Faria Maciel, Juliano Lima Pinheiro

Resumo


O objetivo deste estudo é evidenciar fatos estilizados dos fundos de Private Equity no Brasil, a fim de compreender como se dá essa modalidade de investimento no mercado de capitais brasileiro. Para tanto, utilizou-se de dados secundários de 12 fundos que possuem domicílio no Brasil e investem em empresas brasileiras. Os dados foram obtidos através do sistema de informações da Bloomberg. Os resultados mostram que o benchmark mais utilizado pelos fundos estudados foi o DI-Cetip, o Fix TRX Des Imob I possui o maior retorno, o Brasil Invest 2014 I FIP tem o maior risco da amostra, e o Barao Vermelho FIP o menor.  Quanto ao tracking error, o fundo que apresentou maior afastamento do benchmark foi o Brasil Invest 2014 I FIP. Além disso, foi observado beta negativo em diversos fundos, o que reforça a ideia de que existem medidas mais adequadas que o beta para avaliar o risco dos países com mercados emergentes. No geral, o fundo FIP TRX Des Imob I apresentou o melhor desempenho dos fundos analisados, não só pela boa performance nos índices IS, IT, Alfa de Jensen e Isor, mas também por ser um dos mais aderentes ao benchmark e possuir uma das menores volatilidades da amostra. Por outro lado, o fundo Brasil Invest 2014 FIP apresentou a menor aderência ao benchmark, além de ser o fundo mais volátil da amostra.


Texto completo:

PDF

Referências


ABVCAP - Associação brasileira de Private Equity e Venture Capital. (2016). Consolidação de Dados: Indústria de Private Equity e Venture Capital no Brasil - 2011-2015. Recuperado em 19 de novembro, 2017, de http://www.abvcap.com.br/Download/Estudos/3484.pdf.

Araújo, J. P., & de Oliveira, M. R. G. (2015). Análise da Influência dos Fundos de Private Equity e Venture Capital no Retorno das Ações das Empresas Investidas. Revista de Finanças Aplicadas, 1(1), p. 1-30.

Bertucci, L. A., Souza, F. H. R., & Félix, L. F. F. (2008). Gerenciamento de risco de fundos de pensão no Brasil: alocação estratégica ou simples foco na meta atuarial?. Economia & Gestão, 6(13).

Brav, A., & Gompers, P. A. (1997). Myth or reality? The long‐run underperformance of initial public offerings: Evidence from venture and nonventure capital‐backed companies. The Journal of Finance, 52(5), p. 1791-1821.

Carvalho, A. G. D., Ribeiro, L. D. L., & Furtado, C. V. (2006). A indústria de private equity e venture capital: 1° censo brasileiro. São Paulo: Editora Saraiva.

Carvalho, A. G., Netto, H. G., & Sampaio, J. O. (2014). Private Equity and Venture Capital in Brazil: An Analysis of its Evolution. Revista Brasileira de Finanças, 12(4).

Ceretta, P. S., & Costa Jr, N. C. (2001). Avaliação e seleção de fundos de investimento: um enfoque sobre múltiplos atributos. Revista de Administração Contemporânea, 5(1), p. 7-22.

Ceretta, P. S.; Milani, B. (2012). Avaliação da performance de fundos de Investimento: a história do pensamento atual. Revista Estudo & Debate, 19(1), p. 91-112.

Eller, E. P. (2012). Análise do desempenho de longo prazo dos IPOs de empresas com participação prévia de fundos de private equity e venture capital de 2004 a 2011 na BM&F Bovespa. Dissertação de Mestrado em Economia, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil.

Estrada, J. (2000). The cost of equity in emerging markets: a downside risk approach.

Estrada, J. (2002). Systematic risk in emerging markets: the D-CAPM. Emerging Markets Quarterly, 14(6), p. 365-379.

Ferreira, R. S. (2017). Avaliação de desempenho de empresas investidas por private equity e seus gestores através do sistema DuPont. Dissertação de Mestrado Profissional em Economia e Finanças Corporativas, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Gianechini, C., & Decourt, R. F. (2013). Impactos e influências de Fundos Private Equity e Venture Capital: Evidências dos IPOs no Brasil. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, 6(3), p. 481-496.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo.

Gompers, P. A. (1995). Optimal investment, monitoring, and the staging of venture capital. The journal of finance, 50(5), p. 1461-1489.

Gompers, P., & Lerner, J. (2001). The venture capital revolution. The Journal of Economic Perspectives, 15(2), p. 145-168.

Holzheim, G. O. (2016). Como variáveis macroeconômicas impactam o fluxo de negócios de private equity no Brasil?. Monografia em Ciências Econômicas, Insper Insituto de Ensino e Pesquisa, São Paulo, SP, Brasil.

Jensen, M. C. (1968). The performance of mutual funds in the period 1945–1964. The Journal of finance, 23(2), p. 389-416.

Markowitz, H. (1952). Portfolio selection. The journal of finance, 7(1), p. 77-91.

Marques, V. A., & Souza, A. A. (2012). A influência dos modelos de valuation no processo decisório dos fundos de venture capital/private equity. Revista de Finanças Aplicadas, 1, p 17.

Mauad, R. P., & Forte, D. (2017). Private Equity gera valor ao acionista? Uma análise comparativa de retorno e risco após o IPO. Revista Brasileira de Finanças, 15(1).

Meirelles, J. L. F., Pimenta Júnior, T., & Rebelatto, D. A. D. N. (2008). Venture capital e private equity no Brasil: alternativa de financiamento para empresas de base tecnológica. Gestão e Produção, 15(1), p. 11-21.

Morsfield, S. G., & Tan, C. E. (2006). Do venture capitalists influence the decision to manage earnings in initial public offerings?. The Accounting Review, 81(5), p. 1119-1150.

Nascimento, L. (2006). A Trajetória Recente da Institucionalização do Venture Capital no Brasil: Implicações para o Futuro. Tese de Doutorado em Política Científica e Tecnológica, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Oliveira Filho, B. G., & Sousa, A. F. (2015). Fundos de investimento em ações no Brasil: métricas para avaliação de desempenho. Revista de Gestão, 22(1), p. 61-76.

Ribeiro, L. D. L. (2005). O modelo brasileiro de private equity e venture capital. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

Sahlman, W. A. (1990). The structure and governance of venture-capital organizations. Journal of financial economics, 27(2), p. 473-521.

Sasso, R. D. C. (2012). Qualidade de lucros e estrutura de propriedade: a indústria de private equity no Brasil. Dissertação de Mestrado em Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Sharpe, W. F. (1966). Mutual fund performance. The Journal of business, 39(1), p. 119-138.

Sortino, F.A., Van Der Meer, R. (1991). The Dutch triangle. Journal of Portfolio Management, 18, p. 27-31.

Tavares, P. C. A., & Minardi, A. M. A. F. (2010). Does Private Equity Investment Work as a Quality Certification for IPOs in Brazil?. Recuperado em 15 dezembro, 2017, de https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1624876.

Testa, C. H. R., Lima, G. D., & Securato, J. R. (2013). O Desempenho de longo prazo dos IPOs: Evidências de Empresas Investidas por fundos de Private Equity e Venture Capital. Anais do XVI Seminários em Administração-SEMEAD, São Paulo, SP, Brasil.

Treynor, J. L. (1965). How to rate management of investment funds. Harvard business review, 43(1), p. 63-75.

Van Der Linden, G. S., Zanini, F. A. M., Zani, J., & Diehl, C. A. (2010). Venture Capital e Private Equity: apenas capital financeiro ou muito mais do que isso? O caso de três empresas do Sul do Brasil. Revista Ciências Administrativas, 16(1).

Varga, G. (2001). Índice de Sharpe e outros indicadores de performance aplicados a fundos de ações brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, 5(3), p. 215-245.




DOI: https://doi.org/10.23925/cafi.v2i2.43505

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2595-1750  

Indexadores

 

 

 

  

Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.