As mil e uma noites – sobre quantas noites cabem na luz de um projetor

Gustavo Chataignier

Resumo


O texto analisa o filme “As mil e uma noites”, do cineasta português Miguel Gomes (2015), sobretudo o primeiro dos seus três episódios, intitulado “O inquieto”. A abordagem é estética na medida em que aponta para a formação histórica dos sentidos por meio da apresentação de formas – e aqui, notadamente, das imagens em movimento acompanhadas por trilha sonora. Mostrar seu tempo, então, não consiste em fazer referência a algo exterior ao desenrolar da obra, mas antes, na recriação fílmica. Tal “método”, por assim dizer, foi por nós batizado de “princípio Sherazade”, colado ao espírito do filme e à ideia crítica de origem no Benjamin do drama barroco.

Palavras-chave


Estética; Cinema contemporâneo; Temporalidade; Walter Benjamin; Jacques Rancière

Texto completo:

PDF