Redes sociais e relações de poder na enfermagem: estudo de caso em um hospital municipal

Luciano Antonio Prates Junqueira, Mariana do Amaral Campos, Maria de Fátima da Silva, Rosimar Pereira Barbosa

Resumo


A análise de redes sociais permite identificar as relações de poder entre profissionais em organizações. Com este instrumento estudamos a área de enfermagem em um hospital público municipal (HPM) na Grande São Paulo. A pesquisa descreve a configuração da rede social interna do HPM objetivando identificar as relações de poder entre os profissionais de enfermagem. Trata-se de estudo de caso com análises qualitativa e quantitativa realizada por meio de aplicação de questionário aos profissionais de enfermagem e utilização do software NodelXL. A metodologia permitiu-nos visualizar os relacionamentos entre os diversos atores respondentes e o tipo e a configuração da rede social. Os resultados apontam a existência de uma rede social descentralizada, voltada para as relações pessoais e profissionais, mas subdividida em clusters. Os respondentes percebem no nível hierárquico mais elevado da enfermagem o maior poder de influência na gestão da área e do hospital em geral.

Palavras-chave


rede social; enfermagem; poder (Psicologia); gestão hospitalar

Texto completo:

PDF

Referências


Scott J, Carringhton J, editores. The Sage handbook of social network analysis. London: SAGE; 2012.

Freeman LC. The development of social network analysis: a study in the sociology of science. Vancouver: Empirical Press; 2004.

Pinto AMG, Junqueira LAP. A análise de redes sociais como ferramenta de diagnóstico das relações de poder. eGesta. 2008;4(1):33-59.

Martes ACB, organizador. Redes e sociologia econômica. São Carlos: Editora da UFSCAR; 2009.

Marin A, Wellman B. Social network analysis: an introduction. In: Scott J, Carringhton J, editores. The Sage handbook of social network analysis. London: SAGE; 2012. p. 11-25.

Borgatti PS, Mehra A, Brass DJ, Labianca G. Network analysis in the social sciences. Science. 2009;323(5916):892-5.

Junqueira LAP. Gestão social: organização, parceria e redes sociais. In: Cançado AC, Silva Jr JT, Schommer PC, Rigo AS, organizadores. Os desafios da formação em gestão social. Palmas: Provisão; 2008. p. 87-96.

Castells M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra; 2001.

Granovetter MS. Organizações sem fins lucrativos e redes sociais na gestão das políticas sociais. In: Nogueira AM, organizador. Gestão social, estratégias e parcerias: redescobrindo a essência da administração para o terceiro setor. São Paulo: Saraiva; 2006. v. 1, p. 195-218.

Marteleto RM. Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciênc Inf. 2001;30(1):71-81.

Granovetter MS, Castilla E, Hwang H. Social networks in Silicon Valley, The Silicon Valley Edge. In: Lee CM, Miller WF, Hancock MG, Rowen HS, editores. Stanford: Stanford University Press; 1998. p. 218-47.

Martes ACB, Bulgacov S, Nascimento MR. Fórum – redes sociais e interorganizacionais. Rev Adm Empr. 2006;46(3):10-5.

Granovetter MS. A theoretical agenda for economic sociology [Internet]. Stanford: Stanford University Press; 2000. Disponível em: https://escholarship.org/uc/item/4mk4g08q#page-4.

Ferreira J. O programa de humanização da saúde: dilemas entre o relacional e o técnico. Saúde Soc. 2005;14(3):111-8.

Cecilio LO, Mendes TC. Propostas alternativas de gestão hospitalar e o protagonismo dos trabalhadores: por que as coisas nem sempre acontecem como os dirigentes desejam? Saúde Soc. 2004;13(2):39-55.

Lopes FD, Baldi M. Redes como perspectivas de análise e como estrutura de governança: uma análise das diferentes contribuições. RAP. 2009;43(5):1007-35.

Lunardi VL, Lunardi Filho WD, Silveira RS, Silva MR, Dei Svaldi JS, Bulhosa MS. A ética na enfermagem e sua relação com poder e organização do trabalho. Rev Latino-Am Enferm. 2007;15(3):493-7.

Foucault M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal; 1979.

Arendt H. Poder e violência. Rio de Janeiro: Relume Dumará; 2001. p. 81-94.

Arendt H. Between past and future. New York: Penguin Books; 1985. p. 28.

Foucault M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes; 2005.

NodeXL Network Graphs [Internet]. Microsoft; 2006-2015. Disponível em: http://nodexl.codeplex.com/documentation.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.