Perfil epidemiológico de pacientes com tumores cutâneos malignos atendidos em ambulatório de cirurgia plástica de serviço secundário no interior de São Paulo

Fernanda Simoneti, Larissa Olm Cunha, Cassiano Tamura Vieira Gomes, Neil Ferreira Novo, Décio Luis Portella, Hamilton Aleardo Gonella

Resumo


Introdução: O tumor de pele não melanoma é o de maior prevalência e incidência no Brasil, englobando o carcinoma espinocelular (CEC) e o basocelular (CBC). O principal fator de risco para o desenvolvimento desses tumores é a exposição crônica aos raios solares, justificando a faixa etária e as localizações anatômicas mais acometidas. O tratamento objetiva extirpar a lesão com deformidade mínima. A excisão cirúrgica com margens seguras é a principal opção terapêutica; outras dependem do número de lesões, localização, tipo histológico, estado geral e comorbidades clínicas. Objetivos: Descrever o perfil epidemiológico dos pacientes com tumores cutâneos malignos; identificar a prevalência dos não melanoma; e avaliar a margem cirúrgica. Métodos: Estudo observacional, longitudinal e retrospectivo de pacientes submetidos à ressecção de lesões suspeitas em serviço secundário. Resultados: Foram identificadas 140 lesões em 67 pacientes, sendo 59% do sexo masculino e 71,6% maiores de 60 anos. O segmento mais acometido foi cabeça/pescoço (72,1%); 69,1% eram CBC, 29,2% CEC e 1,6% melanoma; 80,4% informavam margens livres, 7,3% indicavam comprometimento; esses pacientes apresentavam média de 75,2 anos e 8,7 lesões concomitantes. A associação foi significante entre gênero feminino e presença de lesões <5 mm. Conclusões: O predomínio de lesões em indivíduos do sexo masculino acima de 60 anos é compatível com o padrão já descrito na literatura. As margens livres, obtidas em grande parte do presente estudo, indicam eficácia terapêutica da excisão cirúrgica simples. As margens macroscópicas adotadas na marcação pré- operatória favorecem a eficácia, reservando a cirurgia de Möhs para recidivas ou comprometimento de margem.

Palavras-chave


neoplasias cutâneas; procedimentos cirúrgicos operatórios; carcinoma de células escamosas; carcinoma basocelular

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2014: Incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2014.

Broetto J, Freitas JOG, Sperli AE, Soh SW, Richter CA, Toni RA. Tratamento cirúrgico dos carcinomas basocelular e espinocelular: experiência dos Serviços de Cirurgia Plástica do Hospital Ipiranga. Rev Bras Cir Plást. 2012;27(4):527-30.

Popim RC, Corrente JE, Marino JAG, Souza CA. Câncer de pele: uso de medidas preventivas e perfil demográfico de um grupo de risco na cidade de Botucatu. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(4):1331-6.

Bassas P, Hilari H, Bodet MD, Serra M, Kennedy FE, Garcia-Patos V. Evaluación de los márgenes quirúrgicos del carcinoma basocelular según la especialidad del cirujano. Actas Dermosifiliogr. 2013;104(2):133-40.

Silveira e Silva M, Castro EK, Chem C. Qualidade de vida e auto-imagem de pacientes com câncer de cabeça e pescoço. Univ Psychol. 2012;11(1):13-23.

Dourmishev LA, Rusinova D, Botev I. Clinical variants, stages, and management of basal cell carcinoma. Indian Dermatol Online J. 2013;4(1):12-7.

Brasil. Ministério da Saúde. Dados das unidades prestadoras de serviços em saúde. DATASUS [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2008 [acesso em 17 jan. 2014]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/cnes/tipo_estabelecimento.htm

Prefeitura Municipal de Sorocaba. Policlínica de Sorocaba. Sorocaba: Prefeitura Municipal. 2015 [acesso em 17 jan de 2014]. Disponível em: http://nccd.cdc.gov/ckd

Firnhaber JM. Diagnosis and treatment of basal cell and squamous cell carcinoma. Am Fam Physician. 2012;86(2):161-8.

Souza SRP, Fischer FM, Souza JMP. Bronzeamento e risco de melanoma cutâneo: revisão da literatura. Rev Saúde Pública. 2004;38(4):588-98.

Kumar P, Watson S, Brain AN, Davenport PJ, McWilliam LJ, Benerjee SS, et al. Incomplete excision of basal cell carcinoma: a prospective multicentre audit. Br J Plast Surg. 2002;55(8):616-22.

Custódio G, Locks LH, Coan MF, Gonçalves CO, Trevisol DJ, Trevisol FS. Epidemiologia dos carcinomas basocelulares em Tubarão, Santa Catarina (SC), Brasil, entre 1999 e 2008. An Bras Dermatol. 2010;85(6):819-26.

Quintas RCS, Coutinho ALF. Fatores de risco para o comprometimento de margens cirúrgicas nas ressecções de carcinomas basocelular. Rev Bras Cir Plást. 2008;23(2):116-9.

Alves RF, Silva RP, Ernesto MV, Lima AGB, Souza FM. Gênero e saúde: o cuidar do homem em debate. Psicol Teor Prat. 2011;13(3):152-66.




DOI: https://doi.org/10.5327/z1984-4840201624713

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.