Álcool e direção: uma abordagem preventiva entre clientes de bares

Bernardo Pires Sampaio, Leonardo de Lima Rosas, Vanessa Brito Miguel Couto, Roberto Almeida Rego de Souza, Ana Lúcia de Camargo Corrêa, Kadja de Morais Correia, Ana Carla Santana Costa, Gabriela Santos Silva, Ravel Sousa Alves, Carlos Vitório de Oliveira, Irany Santana Salomão

Resumo


Objetivo: Identificar em clientes de bares atitudes de risco e conscientizá-los dos perigos desses comportamentos via abordagem preventiva. Método: Trabalho prospectivo de caráter descritivo realizado com 119 clientes de bares entrevistados randomicamente em maio de 2016, em Ilhéus, Bahia. Usou-se questionário semiestruturado acerca das variáveis: sexo, etnia, idade, grau de escolaridade, hábito de usar cinto de segurança, consumo de álcool no momento da entrevista, responsabilidade pela condução veicular no período da realização da entrevista, hábito de dirigir alcoolizado, histórico de acidente de trânsito sob efeito de bebidas alcoólicas e local de residência. Durante a realização do questionário foi promovida uma abordagem preventiva sobre os riscos de dirigir alcoolizado e sem cinto de segurança. Resultados: Predominaram indivíduos do sexo masculinos (54%), caucasianos (41%), com idade média de 27 anos, cuja faixa etária entre 25 a 34 anos compôs mais da metade da amostra (53%), e cursando ensino superior (48%). Grande parte dos entrevistados usava cinto de segurança enquanto motoristas (77%) ou como passageiros (73%). Prevaleceram entrevistados que estavam fazendo consumo de bebidas alcoólicas (74%), com predomínio daqueles que não iriam conduzir veículos após a saída do estabelecimento (58%). Preponderaram motoristas que têm hábito de dirigir sob influência de álcool (65%), dentre os quais parcela importante já se envolveu em acidente de trânsito em decorrência de tal prática (18%). A maioria dos entrevistados residia em Ilhéus (72%). Conclusão: Dirigir alcoolizado ainda é uma prática corriqueira. Contudo, os entrevistados se mostraram receptivos a intervenções preventivas acerca de acidentes de trânsito.


Palavras-chave


acidentes de trânsito; prevenção de acidentes; bebidas alcoólicas; cintos de segurança; educação em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Global status report on road safety. Genebra: WHO; 2015.

Waiselfisz JJ. Mapa da violência 2013: acidentes de trânsito e motocicletas. Rio de Janeiro: Centro Brasileiro de Estudos Latinos Americanos; 2013.

Brasil. Ministério das Relações Exteriores. Nota 460: Declaração de Brasília: Segunda Conferência Global de Alto Nível sobre Segurança no Trânsito: Tempo de Resultados [Internet]. Brasília (DF): Ministério das Relações Exteriores; 2015 [acesso em 30 nov. 2016]. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/notas-a-imprensa/12508-segunda-conferencia-global-de-alto-nivel-sobre-seguranca-no-transito.

World Health Organization. Global Plan for the Decade of Action for Road Safety 2011-2020. Genebra: WHO; 2011.

Aguilera SLVU, Moysés ST, Moysés SJ. Intervenções de segurança viária e seus efeitos nas lesões causadas pelo trânsito: uma revisão sistemática. Rev Panam Salud Publica. 2014;36(4):257-65.

Malta DC, Berna RTI, Silva MMA, Claro RM, Silva Júnior JB, Reis AAC. Consumo de bebidas alcoólicas e direção de veículos, balanço da lei seca, Brasil 2007 a 2013. Rev Saúde Pública. 2014;48(4):692-6. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005633

Bacchierri G, Barros AJD. Acidentes de trânsito no Brasil de 1998 a 2010: muitas mudanças e poucos resultados. Rev Saúde Pública. 2011;45(5):949-63. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000069

Abreu AMM, Jomar RT, Thomaz RGF, Lima JMB, Figueiró RFS. Impacto da Lei Seca na mortalidade por acidentes de trânsito. Rev Enferm UERJ. 2012;20(1):21-6.

Martins RHG, Ribeiro CBHR, Fracalossi T, Dias NH. A lei seca cumpriu sua meta em reduzir acidentes relacionados à ingestão excessiva de álcool? Rev Col Bras Cir. 2013;40(6):438-42. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912013000600003

Almeida ND. Os acidentes e mortes no trânsito causados pelo consumo de álcool: um problema de saúde pública. R Dir Sanit. 2014;15(2):108-25. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9044.v15i2p108-125

Brasil. I Levantamento Nacional sobre Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira. Brasília (DF): Secretaria Nacional Antidrogas; 2007.

Souza RMS, Felisbino Júnior P, Braga FM, Costa Neto SD, Belo FM, Reginaldo SS, Moraes FB. Uso correto do cinto de segurança e dos dispositivos de restrição infantil em automóveis de Goiânia. Rev Bras Ortop. 2014;49(4):340-4. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rbo.2013.09.002

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997. Código Trânsito Brasileiro [Internet]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/L9503.htm

Gazal-Carvalho C, Carlini-Cotrim B, Silva OA, Sauaia N. Prevalência de alcoolemia em vítimas de causas externas admitidas em centro urbano de atenção ao trauma. Rev Saúde Pública. 2002;36(1):47-54. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000100008

Arnauts I, Oliveira MLF. Padrão de consumo do álcool por jovens vítimas de trauma e usuários de álcool. REME Rev Min Enferm. 2012;16(3):410-8.

Brasil. Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (Viva): 2009, 2010 e 2011. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Instituto de Promoção da Segurança Pública Municipal. Diagnóstico da violência e criminalidade em Ilhéus. Ilhéus: PROSEM; 2011.




DOI: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2018v20i1a5

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. ISSN eletrônico 1984-4840

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

  



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.