Estudo anatomopatológico dos pólipos endometriais diagnosticados por histeroscopia

Maria Cecília Ferro, Douglas Alexandre Espírito Santo, Ruan Célio Martins Costa

Resumo


A incidência de malignidade em formações polipoides do endométrio tem sido estudada recentemente em diversos países, encontrando-se entre 0 e 4,8% na maioria dos trabalhos. A crescente utilização da ultrassonografia transvaginal mesmo em mulheres assintomáticas aumentou a frequência desse diagnóstico em nosso meio. Diversos estudos recomendam a exérese e a avaliação histológica de toda a lesão polipoide visualizada no exame histeroscópico para exclusão de malignidade, porém essa abordagem não é consensual, sobretudo quando as pacientes são jovens ou assintomáticas. O presente estudo avaliou 458 resultados de exames anatomopatológicos de pacientes com diagnóstico histeroscópico de pólipo endometrial, admitidas em laboratório de patologia geral. O diagnóstico histeroscópico confirmou-se em 79,9% dos casos (76,0–83,3%, IC95%) e a prevalência do adenocarcinoma foi de 5,25% (3,7–7,9%, IC95%) em todos os exames. As atipias celulares foram identificadas em hiperplasias glandulares simples ou complexas em 1,9% do total de pólipos endometriais (0,9–3,8%, IC95%). A idade maior ou igual a 51 anos comportou-se como variável fortemente associada à maior prevalência de lesões malignas e pré-malignas, que nesse grupo etário representou 12,2% dos diagnósticos. Comparando-se ao grupo de pacientes com idade entre 41 e 50 anos, a razão de prevalência foi de 2,96, com odds ratio de 3,23. A prevalência de 6,99% de lesões pré-malignas e malignas encontrada na população geral do estudo em pauta justifica a preconização da exérese histeroscópica e o exame histopatológico de todo achado na cavidade endometrial, independentemente do tamanho ou do aspecto macroscópico benigno que o pólipo possa aparentar.

Palavras-chave


endométrio; pólipos; neoplasias do endométrio; hemorragia uterina; doenças uterinas; histeroscopia

Texto completo:

PDF

Referências


Nogueira AA. Pólipos endometriais. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005;27(5):289-92. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032005000500010

Miranda SMN, Gomes MT, Silva IDCG, Girão MJBC. Pólipos endometriais: aspectos clínicos, epidemiológicos e pesquisa de polimorfismos. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010;32(7):327-33. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032010000700004

Campaner AB, Carvalho S, Lima SMRR, Santos RE, Galvão MAL, Ribeiro PAG, et al. Avaliação histológica de pólipos endometriais em mulheres após a menopausa e correlação com o risco de malignização. Rev Bras Ginecol Obstet. 2006;28(1):18-23. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032006000100004

Pansky M, Feingold M, Sagi R, Herman A, Schneider D, Halperin R. Diagnostic hysteroscopy as a primary tool in a basic infertility workup. JSLS. 2006;10(2):231-5.

Mettler L, Wendland EMDR, Patel P, Caballero R, Schollmeyer T. Hysteroscopy: an analysis of 2-years’ experience. JSLS. 2002;6(3):195-7.

Yang JH, Chen CD, Chen SU, Yang YS, Chen MJ. Factors influencing the recurrence potential of benign endometrial polyps after hysteroscopic polypectomy. PLoS One. 2015;10(12):e0144857. DOI: http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0144857

Pontes A, Franco M, Nahás EAP, Traiman P, Dias R, Abbade JF, et al. Sangramento na pós menopausa: avaliação clínica e histopatológica. Reprod Clim. 2000;15(2):100-5.

Bergamo AM, Depes DB, Pereira AMG, Santana TCD, Lippi UG, Lopes RGC. Polipectomia endometrial histeroscópica: tratamento ambulatorial versus convencional. Einstein. 2012;10(3):323-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1679-45082012000300012

Pontes A, Traiman P, Franco M, Nahás EAP, Dias R, De Luca LA. Tratamento clínico e seguimento das hiperplasias de endométrio. Rev Bras Ginecol Obstet. 2000;22(6):325-31. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032000000600002

Ribeiro CT, Rosa-e-Silva JC, Silva-de-Sá MF, Rosa-eSilva ACJS, Poli Neto OB, Reis FJC, et al. Hysteroscopy as a standard procedure for assessing endometrial lesions among postmenopausal women. São Paulo Med. 2007;125(6):338-42. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802007000600007

Costa-Paiva L, Godoy CE, Antunes A, Caseiro JD, Arthuso M, Pinto-Neto AM. Risk of malignancy in endometrial polyps in premenopausal and postmenopausal women according to clinicopathologic characteristics. Menopause. 2011;18(12):1278-82. DOI: https://doi.org/10.1097/gme.0b013e31821e23a1

Taddei GL, Bargelli G, Scarselli B, Moncini D, Scarselli G. Precancerous lesions of the endometrium and medical treatment. Eur J Contracept Reprod Health Care. 1997;2(4):239-41. DOI: https://doi.org/10.3109/13625189709165300

Lee SC, Kaunitz Am, Sanchez-Ramos L, Rhatigan RM. The oncogenic potential of endometrial polyps: a systematic review and meta-analysis. Obstet Gynecol. 2010;116(5):1197-205. DOI: https://doi.org/10.1097/AOG.0b013e3181f74864

Antunes A Jr., Costa-Paiva L, Arthuso M, Costa JV, Pinto-Neto AM. Endometrial polyps in pre- and postmenopausal women: factors associated with malignancy. Maturitas. 2007;57(4):415-21. DOI: https://doi.org/10.1016/j.maturitas.2007.04.010

Lieng M, Istre O, Qvigstad E. Treatment of endometrial polyps: a systematic review. Acta Obstet Gynecol Scand. 2010;89(8):992-1002. DOI: https://doi.org/10.3109/00016349.2010.493196




DOI: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2019v21i4a8

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.