Hipertensão refratária e hiperaldosteronismo

Eduardo Pimenta

Resumo


Hipertensão arterial refratária (HAR) pode ser definida como persistência de níveis pressóricos elevados apesar do uso de, pelo menos, três fármacos anti-hipertensivos em doses eficazes, sempre incluindo um diurético. Obesidade, idade avançada e maior uso de algumas substâncias parecem estar relacionados com o aumento da prevalência da HAR. A avaliação desses pacientes deve ser direcionada para a identificação de fatores que contribuem para manter a HAR e possíveis causas secundárias. Atualmente, o hiperaldosteronismo é reconhecido como o fator secundário mais comum para a HAR, de modo que todos os pacientes com HAR devem ser submetidos à avaliação com o intuito de afastar a possibilidade de hiperaldosteronismo, principalmente na avaliação da relação aldosterona/renina, mesmo se os níveis sanguíneos de potássio estiverem normais. O tratamento inclui a eliminação de possíveis fatores causais, tratamento otimizado das causas secundárias, e o uso de eficazes estratégias com vários fármacos. Estudos mais recentes têm evidenciado a importância terapêutica da espironolactona, principalmente quando adicionada aos esquemas tradicionais de tratamento por provocar significantes quedas nos níveis pressóricos dos pacientes com HAR.

Palavras-chave


hipertensão; hiperaldosteronismo

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.