Caracterização clínica e laboratorial da hipertensão arterial em pacientes com gota

Gisela Tan-Oh, Hélvia Ribeiro Freire da Silva, Ilana Maeda Yamakami, Cristiano B. Campanholo, Luciano Mesquita Simão, Gilberto Santos Novaes

Resumo


Introdução: hipertensão arterial (HA) e doenças cardiovasculares são associações comumente observadas em pacientes com gota. Objetivo: caracterizar clínica e laboratorialmente a HA em pacientes com gota. Pacientes e Métodos: vinte e um pacientes com gota e HA foram estudados. Idade, sexo, duração da gota, obesidade, tofos, tabagismo, diabetes, antecedente familial de doenças cardiovasculares, medida da pressão arterial, ácido úrico (AUS), colesterol, HDL, LDL, triglicérides, glicose, uréia, creatinina, ECG, radiografia de tórax e exame fundoscópico de retinopatia hipertensiva e ateroesclerótica (classificação de Gans) foram avaliados. Os pacientes foram analisados quanto a fatores de risco cardiovascular (FRC) e lesões em órgãos-alvo (LOA). Foi determinado o risco individual de cada paciente e estratificado em grupo A: sem FRC e sem LOA, grupo B: com FRC (excluído diabetes) e sem LOA e grupo C: com LOA e doença cardiovascular clinicamente detectável e/ou diabetes. A análise dos resultados foi descritiva. Resultados: a média de idade dos pacientes foi de 56,8 anos (34 a 89), sendo 20 do sexo masculino e 1 do feminino. A duração da gota foi em média de 10,6 anos (2 a 24 anos). Dezenove dos pacientes eram obesos. Nove tinham tofos. Tabagismo em três pacientes. Sete pacientes eram diabéticos e sete com antecedentes familiais de doença cardiovascular. A pressão arterial foi limítrofe em três (14,2%), HA leve (estádio 1) em um (4,7%), HA moderada (estádio 2) em seis (28,5%), HA grave (estádio 3) em sete (33,3%) e HA sistólica isolada em quatro (19%) pacientes. Todos os pacientes estavam em tratamento anti-hipertensivo. AUS foi em média 7,890,6 mg/dl, colesterol >200mg/dl em dez pacientes, HDL <35 em três, LDL >130 em cinco, triglicérides >300mg/dl em três pacientes. Uréia ou creatinina foi elevada em sete pacientes. Em um (4,7%) paciente foi detectado 1 FRC, em nove (42,8%) dois, em seis (28,5%) três e em cinco (23,8%) pacientes quatro. Quatro (19%) pacientes não apresentaram LOA, dez (47,6%) uma, seis (28,5%) duas e um (4,7%) paciente três LOA. Quanto à retinopatia (Gans), nove (42,8%) pacientes tinham H0A0, dois (9,5%) H1A0, três (14,2%) H0A1 e sete (33,3%) pacientes H1A1. Verificou-se na estratificação em grupos de risco nenhum paciente no grupo A, três (14,2%) no grupo B e dezoito (85,7%) pacientes classificados como de maior risco (grupo C). Conclusão: nossos resultados indicam que a HA em pacientes com gota caracteriza-se por expressivo risco de doença cardiovascular e presença de lesões em órgãos-alvo.

Palavras-chave


gota; hipertensão; hiperurecemia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.