O Coaching e o Processo de Desenvolvimento de Competências e Habilidades na Aprendizagem Gerencial

Leonice Holanda Melo, Fátima Regina Ney Matos, Diego Queiroz Machado, Liana Holanda de Melo

Resumo


Nos últimos anos, o coaching passou da condição de atividade experimental e complementar para um processo de aprimoramento, desempenho e resultados dentro do ambiente organizacional. Neste contexto, essa pesquisa tem como objetivo geral avaliar a influência da aplicação do coaching no desenvolvimento das competências emocionais e habilidades gerenciais dos gestores em uma empresa de serviços. Para tanto, utilizou-se da metodologia de pesquisa-ação, desenvolvida com a aplicação do coaching junto aos cinco principais gestores da empresa, durante um período de treze meses. Os resultados das informações advindas da avaliação multidirecional das competências emocionais e habilidades gerenciais e dos depoimentos escritos indicaram visíveis avanços na melhoria dos padrões cognitivos, emocionais e comportamentais dos gestores após aplicação do programa. Outros resultados acerca da aprendizagem e benefícios do programa dos participantes em foco mostram como o processo contribuiu de forma eficaz para a melhoria no aprendizado e alcance de melhores resultados.


Palavras-chave


Gestão de Pessoas; Coaching; Pesquisa-Ação.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTONACOPOULOU, E. P. Employee development through self-development in three retail banks. Personnel Rewiew, v. 29, n. 4, p. 491-508, 2000.

ANTONELLO, C. O autodesenvolvimento e a perspectiva da aprendizagem organizacional. In: BITTENCOURT et al. Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre: Bookman, 2010.

ARGYRIS, C.; SCHON, D. A. Theory and practice: increasing professional effectiveness. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1974.

BARBOSA, A. S. O contexto social da aprendizagem de gerentes. Revista de Administração Mackenzie, v. 9, n. 6, p. 26-52, 2008.

BATISTA. K. Coach: um estudo das competências requeridas para o exercício da profissão. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração). Fundação Cultural Dr. Pedro Leopoldo (FLP), Pedro Leopoldo, 2013.

BITENCOURT, C. C. A gestão de competências gerenciais e a contribuição da aprendizagem organizacional. RAE, v. 44, n. 1, 2004.

CELESTINO, S. O executivo e o coaching em marketing pessoal. Revista Eletrônica Consultores de Consultores. 2005. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2014.

CLUTTERBUCK, D. Coaching eficaz: como orientar sua equipe para potencializar resultados. São Paulo: Gente, 2008.

DINGMAN, M. E. The effects of executive coaching on job-related atitudes. Tese de doutorado em Organizational Leadership - School of Leadership Studies, Regent University, 2004.

DUSYA, V.; CROSSAN, M. Organizational learning and knowledge management: toward an integrative framework. In: EASTERBY-SMITH; LYLES, M. (eds). Handbook of Organizational Learning and Knowledge Management. Malden: Blackwell, 2005.

EXECUTIVE COACHING IN LATIN AMERICA. Use of executive coaching. 2011. Disponível em . Acesso em: 28 jan. 2014.

FABOSSI, M. A essência do líder Coach: conduzindo pessoas e organizações ao sucesso. São Paulo: Abba, 2009

FLAHERTY, J. Coaching: desenvolvimento, excelencia pessoal e profissional. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2010.

FLEURY, A.; FLEURY, M. Estratégias empresariais e formação de competências. São Paulo: Atlas, 2008.

_________. Desenvolver competências e gerir conhecimentos em diferentes arranjos empresariais – o caso da indústria brasileira de plástico. In: FLEURY, M.; OLIVEIRA JR., M. Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas, 2001.

GALLWEY, W. T. O jogo interior do tênis. São Paulo: Texto Novo, 1996.

GALVÃO, V. B. A; SILVA, A. B.; SILVA, W. R. O desenvolvimento de competências gerenciais nas escolas públicas estaduais. Educação e Pesquisa, v. 38, n. 1, p. 131-147, 2012.

GARVIN, D. A. Building a learning organization. Harvard Bussiness Review, v. 74, n. 4, p. 78-91, 1993.

GEUS, A. A empresa viva: como as organizações podem aprender a prosperar e perpetuar. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

GOLEMAN, D. Trabalhando com a inteligência emocional. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

GRANT, A. M. ;CAVANAGH, M. Toward a profession of coaching: sixty-five years of progress and challengs for the future. International Journal of Evidence Based Coaching and Mentoring, v. 2, n. 1, p. 8-21, 2004.

KOLB, D. A gestão e o processo de aprendizagem. In: STARKEY, K. (Org.). Como as organizações aprendem. São Paulo: Futura, 1997.

_______. Experiential learning: experience as the source of learning and development. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1984.

KOFMAN, F. Metamanagement: a nova consciência dos negócios. Willis Harman House, São Paulo, 2002.

KRAUSZ, R. R. Coaching executivo: a conquista da liderança. São Paulo: Nobel, 2007.

LAGES, A.; O’CONNOR, J. Como funciona o coaching: o guia essencial para a história e a prática do coaching eficaz. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2010.

LOPES, P. N.; SALOVEY, P.; STRAUS, R. Emotional intelligence, personality, and the perceived quality of social relationships. Personality and Individual Differences, v. 35, p. 641-658, 2003.

MORESI. E. A. D. Inteligência organizacional e competitiva. Brasília: Editora UnB, 2001.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.

PAULSSON, K.; SUNDIN, L. Learning at work – a combination of experience-based learning and theoretical education. Behavior & Information Technology, v. 19, n. 3, p. 181-188, 2000.

RUAS, R. L. Desenvolvimento de competências gerenciais e contribuição da aprendizagem organizacional. In: FLEURY, M. T. L. (org.). Gestão estratégica do conhecimento – integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas, 2001.

RUAS, R.; BECKER, G. Desenvolvendo competências em programas de formação gerencial: ficção e realidade. In: EnGPR, 2007, Natal. Anais... Natal: Anpad, 2007.

SENGE, P. M. A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende. Rio deJaneiro: Best Seller, 1990.

________. As cinco disciplinas. HSM Management, v. 2, n. 9, p. 82-88,1998.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE COACHING. Saiba qual é o cenário atual do mercado de coaching no Brasil e no Mundo. 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2013.

SWIERINGA, J; WIERDSMAR, A. La organización que aprende. Delaware: Addison-Wesley, 1995.

THIOLLENT, M. Pesquisa-ação nas organizações. São Paulo: Atlas, 2009.

UNDERHILL, B. et al. Coaching executivo para resultados: guia definitivo para líderes organizacionais. Osasco, SP: Novo Século, 2010.

VASCONCELOS, I.; MASCARENHAS. A. Organizações em aprendizagem. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

WESTBROOK. R. John Dewey. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.

WHITMORE, J. Coaching para performance. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2010.

WOLK, L. Coaching: a arte de soprar brasas. Rio de Janeiro, Qualytmark, 2008.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Pontifícia Universidade Católica de São Paulo / PUC-SP. Rua Monte Alegre, 984. Cep: 05014-901. São Paulo - SP - Brasil. Faculdade de Economia e Administração (FEA), Departamento de Administração. Fone (11) 3670-8147. ISSN 1414-7394.