O Ressurgimento de Schiller nas Recordações das Cartas Estéticas de Peirce: Um Adendo Crítico à Explicação de D. Dilworth sobre a Procedência das Categorias de Peirce em Schiller

Alessandro Topa

Resumo


A determinação da profundidade e âmbito da influência que as Cartas Estéticas de Schiller exerceu sobre a filosofia de Peirce revelou-se como uma desafiadora tarefa interpretativa. Tanto o entendimento de sua necessidade quanto a consciência de suas dificuldades apenas surgiram gradativamente na obra de gerações de estudiosos. O objetivo deste trabalho é delinear a situação hermeneutica atual em relação à ‘questão-Schiller-Peirce’ (Seção I) e executar a sub-tarefa de interpretar um grupo de passagens que, até agora, não receberam a atenção e o rigor filológico que merecem: as recordações de Peirce (1902-1913) de seu estudo juvenil das Cartas. Como constituem nossa única garantia da premissa de que o pensamento de Schiller – além de servir como acesso a Kant, em torno de 1855 – teve algum significado para Peirce, as recordações são documentadas o mais plenamente possível (Seção II), a fim de situar o ressurgimento de Schiller no pensamento de Peirce no contexto dos desafios teoréticos enfrentados por Peirce, em vista da reconcepção coenoscópica das ciências filosóficas que ocorreram entre 1900 e 1903 (Seção III). Esta contextualização arquitetônica das recordações corresponde aos resultados de nossa análise da juvelinia obtida em um trabalho conjunto. A essência categoriológica das Cartas, em torno da qual Schiller constrói uma lógica tripartida de processos psíquicos, agiu como um catalizador para a análise de Peirce das deficiências da categoriologia de Kant e, assim, fundamentou sua concepção (conotação) e uso (aplicação extensa ao objeto-domínios) das categorias como constituintes meramente formais – verdadeiramente universais, estritamente ordenados, essencialmente modais – de fenomenalidade, normatividade e processualidade histórica, i.e., como os elementos constitutivos e dimensões arquitetônicas da semiose de uma inteligência, capaz de aprender através da experiência.

Palavras-chave


Friedrich von Schiller; Kant; Arquitetônico; Cenoscopia; Categorias; Ciência normativa; Estética; Ética; Lógica; Normatividade; Processos Psíquicos; História

Texto completo:

PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.23925/2316-5278.2017v18i2p326-343

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Apoio: