Fatores emocionais na origem do retardo da linguagem

Mauro Spinelli

Resumo


A Foniatria tem dado pouco valor a aspectos emocionais como fatores causais de retardo de linguagem, concentrando-se, neste aspecto, aos quadros de autismo e de esquizofrenia infantil. Os demais distúrbios do desenvolvimento da linguagem nos quais não se encontram causas orgânicas nítidas, têm sido atribuídos à falta de oportunidade para aprender, a desordens orgânicas “mínimas”, ou consideradas vagamente como alterações funcionais. É verdade que existem muitas referências à ‘fala do bebê’ como sintoma de fixação ou de regressão emocional, e que a gagueira tem sido, às vezes, explicada por alterações no desenvolvimento psico-sexual. Assim, também, Rousey procurou mapear erros articulatórios de acordo com falhas no desenvolvimento psico-sexual. Parece, porém, que faltam estudos clínicos e pesquisas sobre o papel da dinâmica de relações afetivas no retardo de linguagem visto de forma mais global, isto é, sem separação dos seus aspectos comunicativos, semânticos, prosódicos e gramaticais.
Este trabalho tem como objetivo contribuir para a avaliação de tal abordagem. Para isto ele foi organizado com os seguintes passos: conceituações e fundamentos teóricos, apresentação e interpretação de achados clínicos, conclusões.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.