A lista de espondaicos e sua utilização na logoaudiometria

Silvia Freitas Machado

Resumo


O uso de expressões idiomáticas, com características das palavras espondáicas de outras línguas que as tem, foi sugerida na dissertação de mestrado da autora.
Perceber a fala corresponde a identificar algo conhecido; o que é desconhecido o sistema rejeita, considerando como um ruído. Assim, a escolha do material lingüístico deve seguir estes critérios: (a) familiaridade; (b) representatividade fonêmica; e (c) homogeneidade.
O desenvolvimento da lista de espondáicos começou com a observação dessas expressões na linguagem do dia-a-dia, usada de forma coloquial pra inicial, manter ou finalizar diálogos.
A percepção dessas expressões foi comparada com a percepção de vocábulos dissílabos e monossílabos, num procedimento logoaudiométrico, e os resultados receberam tratamento estatístico. A análise de variância mostrou que não houve diferenças significativas dentre os sujeitos, além do desempenho na intensidade. No teste Friedman (amostras emparelhadas, medidas ordinais) foi demonstrada uma tendência constante da lista de espondáicos obter, na curva logoaudiométrica, uma amplitude menor do que os outros estímulos, diferença essa muito significante (0.001>p).

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.