Aprendendo símbolos bliss via computador I

Fernando César Capovilla, Valéria de O. Thiers

Resumo


Um sistema computadorizado de ensino de símbolos Bliss a paralisados cerebrais foi desenvolvido e aplicado para comparar a eficácia relativa dos emparelhamentos Símbolo-Vocábulo (SV), Símbolo-Figura (SF) e Símbolo-Palavra Escrita (SP). Tirando vantagem da recombinatividade de Bliss, primeiramente eram ensinados símbolos de substantivos, depois dos verbos e modificadores derivados. Foram avaliados efeitos de carreamento, e de tipo de treino e teste (SV, SF, SP) sobre desempenho em treino (tempos médio e total, freqüência de erros e de tentativas até critério) e teste (proporção de acerto, tempos médio de acerto). Este primeiro de dois artigos avaliou efeitos do tipo de treino sobre desempenho no  treino, e de teste, no teste. O segundo avalia efeitos de tipo de teste e categoria gramatical sobre desempenho no teste; de treino e categoria gramatical sobre teste; de teste em função do treino precedente sobre teste; de teste em função do treino precedente e categoria gramatical do símbolo sobre teste. Neste primeiro artigo, a ordem de eficiência de treino e teste foi SV, SF, SP em todas medidas. Relevante à programação de ensino, resultados sugerem que a vantagem do emparelhamento SV decorre da modalidade dupla visual-auditiva. O segundo artigo explora processos e oferece evidência de aprendizagem emergente.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.