A linguagem e “estratégias comunicativas” na interlocução entre educadores ouvintes e alunos surdos

Maria Cecília Rafael de Góes, Regina Maria de Souza

Resumo


O presente trabalho tem como principal objetivo discutir em que medida estratégias comunicativas híbridas, entendidas como composições de enunciados orais mesclados por sinais e recursos semióticos diversos, podem, ou não, se constituir em base para a construção de conhecimentos por parte do aluno surdo. O referencial teórico aqui assumido funda-se no paradigma sociointeracionista, particularmente nos pontos de maior afinidade entre Vygotsky e Bakhtin. A partir da análise de interações ocorridas em sala de aula verificamos movimentos constantes de repetição de enunciados, por parte da professora. Tomando esses movimentos como objeto de discussão, distinguimos dois tipos de repetição: a recorrência tópica e a recorrência ecóica. É argumentado que ambas evidenciam tanto representações discursivas negativas do professor em relação ao aluno surdo como interditam a possibilidade de elaboração do conhecimento, tendo em vista que o jogo da interlocução acaba por ser consumido pela construção da própria estratégia comunicativa.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




A revista Distúrbios da Comunicação e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em https://revistas.pucsp.br/dic. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em https://revistas.pucsp.br/dic.